https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Para Carlos Drumond de Andrade

 


Nostalgia
De um velho
A tecer um mar
Num local que
Não existe mar.
Perde-se num mar
De ideias que não tem volta.
Á contrariar o medo
De possuir o verbo,
Não se contém num ritual ao belo e
Comove-se ao máximo que pode,
Retirando com os olhos
As imagens do dia-a-dia.
Sabe bem usá-las:
No viver das ruas,
Na busca do amor,
Das brancas nuvens,
Do asfalto negro,
São filtrados no olhar maneiro
Mineiramente prevenido.


Chicão de Bodocongó
Campina grande, 29 de dezembro de 2005
Poesia refeita
Campina Grande, 15 de março de 201


Chicão de Bodocongó foi a melhor maneira de homenagear o bairro que moro a trinta anos na cidade de Campina Grande ( Bodocongó ), Paraíba. O meu nome é Francisco de Assis que é acompanhado pelo sobrenome Cunha Metri e faz pouco dias que venho publican...

 
Autor
ChicãodeBodocongó
 
Texto
Data
Leituras
552
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
10 pontos
0
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.