https://www.poetris.com/
 
Textos -> Desilusão : 

(Des)emprego – um mini pensamento alegórico

 
Tags:  pensamento    mensagem    jomad    emprego    Restelo  
 


Quando uma entrevista me chama pelo telefone, acenando-me com cenouras de empregos, asnamente sinto-me como um Gama quase Vasco às portas de um mundo novo.

Só que quando o meu navio da esperança aporta, a maré no porto eleva-se ruidosa.

Do outro lado da muralha, ao verem-me entrar trazendo numa mão um punhado de esperança, noutra a pobreza encobrível e no casaco camuflada, a minha velhice dizem-me que não faço parte das suas descobertas. Que velhos do Restelo já têm por ali às dezenas e não servem para nada, senão para protestarem até as placas dentárias ficarem a baloiçar.

Mas sabem, não é a idade que não perdoa, é a sociedade que tudo nos outros destoa, lançando naus de esquecimento contra os nossos navios ainda aportados em sentimentos

No afundar deles, vence a vulgaridade do coletivo singular que faz Leões parirem montanhas, assobiando para chamar os ratos que rugem mentiras sem parar, antes de se escaparem pela rotina (borda) fora.

J. P. Madeira


Open in new window

 
Autor
jomadosado
 
Texto
Data
Leituras
464
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
10 pontos
0
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.