https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

PEQUENO PARDALINHO

 
Tags:  poesia    APPACDM    concurso    Setúbal  
 
(Partilho o poema que foi Menção Honrosa no XIX Concurso de Poesia da APPACDM Setúbal, esperando que gostem)

PEQUENO PARDALINHO

Escuta-me pequeno pardalinho

que vives triste, quase solitário

nessa tua opaca gaiola onde te procuro,

sem te conseguir de lá libertar



Um dia…

Numa trovoada de esperança, cairão chuvas de libertações,

abrindo a tua gaiola entre outras que à tua são tão iguais



Quê? Que me dizes?

Não gostas de te molhar?

Envergonhas-te por não saberes falar nem cantar?



Nada importa!

Eu canto e falo por ti e cubro-te da chuva em mim

Faço esse Um dia ser já amanhã, mas tens de me ajudar



Sabes…

embora tenha penas, já não servem para voar

pela vida fora, deixei de as saber usar

foram as mágoas e o receio de as magoar



Mas faço de tudo para te ver bem alto,

todo emplumado, feliz no Céu de nosso mundo,

por ti e por mim,

tal normal anjo a voar


Aqui como B. de Batista Bastos
António Jorge Pereira Madeira


Open in new window

 
Autor
jomadosado
 
Texto
Data
Leituras
2664
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
26 pontos
7
2
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Sterea
Publicado: 23/11/2014 23:32  Atualizado: 23/11/2014 23:32
Colaborador
Usuário desde: 20/05/2008
Localidade: Porto
Mensagens: 3397
 Re: PEQUENO PARDALINHO
Muito bonito, a tocar a delicadeza de ser frágil, perante a grandiosidade de ser especial...

Um beijo de parabéns.

Teresa



Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 11/12/2014 12:56  Atualizado: 11/12/2014 12:56
 Re: PEQUENO PARDALINHO
DE OUTRO VIZINHO MOSSO

Pequeno Pardal

Quando eu nasci,
ficou tudo como estava.

Nem homens cortaram veias,
nem o Sol escureceu,
nem houve estrelas a mais...
Somente,
esquecida das dores,
a minha Mãe sorriu e agradeceu.

Quando eu nasci,
não houve nada de novo
senão eu.

As nuvens não se espantaram,
não enlouqueceu ninguém...

Pra que o dia fosse enorme,
bastava
toda a ternura que olhava
nos olhos de minha Mãe...

Sebastião da Gama,