https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

A Moça de Cima

 
O espelho que não posso ver
(e que tanto me atemoriza),
anuncia-se.

Em quanta angústia ela se exaure
para que necessite que eu a saiba?

Sou a aranha kafkaniana a ser seguida
por teias inexplicáveis.

Estão iniciados os terrores noturnos
em que os invisíveis, mas sabidos,
olhos paranoicos da moça de cima
esquadrinham a minha solidão insone.

Os passos que pisa e a mobília que arrasta
são duros, secos, aflitos.
São gritos.

Rudes gemidos, sem a elegância
dos líricos sofrimentos.

Quão pouca ciência impede-lhe de ver
que a soma de nossos nadas
proíbem uma mera unidade?

Em qual vazio se debate o seu desespero
em busca de uma luz
que já não tenho?




Lettré, l´art et la Culture. Rio de Janeiro, inverno de 2015.


Sentir-me-ei honrado com a sua visita em minhas páginas, nos links abaixo:

www.fabiorenatovillela.com

Blog - Versos Reversos

 
Autor
FabioVillela
 
Texto
Data
Leituras
643
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
25 pontos
1
4
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
JoeWeirdo
Publicado: 14/07/2015 18:53  Atualizado: 14/07/2015 18:53
Da casa!
Usuário desde: 11/03/2010
Localidade:
Mensagens: 439
 Re: A Moça de Cima
belo desfecho!
boa questão!

(;