https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Ode ao desaparecimento #.#.#

 
.










Ode ao desaparecimento
(borrando um poema de Drummond)






Já passou dos cinquenta e agora,
Bem mais perto da despedida, aguente firme,
Falta muito pouco, Milton, está quase lá.

Bem mais longe já esteve quando nasceu
Neste mundo inadequado,
Então segure o leme com mais firmeza e não se mate.
O tempo vai piscar nos seus olhos
E você estará nos braços leves do esquecimento.

Quem sabe o mundo, em suas órbitas difusas,
Te surpreenda, coisa pouco provável, mas quem sabe,
Uma boa surpresa na dobra de uma esquina sem pavimento.

Quem sabe esta agonia seja o arado da terra
Preparando o plantio e uma colheita, quiçá, mais feliz.
Não, meu filho, não apresse o apagar da luz,
Você já sabe, morrer também é uma outra ilusão.

Então, não seja dramático, não se mate,
Apesar dessa gangrena no peito exangue, não se mate!

Mais um pouco e terá cumprido este seu carma medíocre
E, por favor, escreva um poema que preste,
Que alegre sua alma quando estiver singrando o atlântico.

Não esqueça, meu filho, neste mundo só os tolos são felizes.








MF.20.07.2015
 
Autor
Srimilton
Autor
 
Texto
Data
Leituras
426
Favoritos
5
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
74 pontos
18
8
5
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
sendoluzmaior
Publicado: 22/07/2015 15:59  Atualizado: 22/07/2015 15:59
Subscritor
Usuário desde: 01/05/2012
Localidade: Belo Horizonte- Pampulha
Mensagens: 3850
 Re: Ode ao desaparecimento #.#.#
Olá Srimilton, fiquei com uma frase, que da margem a muitas reflexões. Obrigado por partilhar, abraço de luz

Não esqueça, meu filho, neste mundo só os tolos são felizes.


Enviado por Tópico
JoeWeirdo
Publicado: 22/07/2015 21:00  Atualizado: 22/07/2015 21:00
Da casa!
Usuário desde: 11/03/2010
Localidade:
Mensagens: 420
 Re: Ode ao desaparecimento #.#.#
"E, por favor, escreva um poema que preste", melhor parte...

gostei!!


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 22/07/2015 21:12  Atualizado: 22/07/2015 21:12
 Re: Ode ao desaparecimento #.#.#
eu cá às vezes sou tolo e por isso canto sempre a vida e o amor. Milton, parabéns


Enviado por Tópico
HelenDeRose
Publicado: 23/07/2015 01:24  Atualizado: 23/07/2015 01:24
Usuário desde: 06/08/2009
Localidade: Sorocaba - SP - Brasil
Mensagens: 2087
 Re: Ode ao desaparecimento #.#.#
Não sei o que me deu, mas eu ri...

Boa noite.

Helen.


Enviado por Tópico
Volena
Publicado: 23/07/2015 12:05  Atualizado: 23/07/2015 12:05
Colaborador
Usuário desde: 10/10/2012
Localidade:
Mensagens: 10663
 Re: Ode ao desaparecimento #.#.# p/srimilton
Gostei está bem, mas mais positivismo! Abraço
Vólena
Que sou tola já eu sei!
Que ideia contra natura
a vida não nos pertence
e viver, é uma aventura.


Enviado por Tópico
Branca
Publicado: 23/07/2015 17:59  Atualizado: 23/07/2015 17:59
Colaborador
Usuário desde: 05/05/2009
Localidade: Brasil
Mensagens: 2795
 Re: Ode ao desaparecimento #.#.#
Meu caro poeta, quando você escreve, eu paro pra ler, porque vejo um além nas tuas palavras que poucos conseguem ultrapassar a linha do imaginário.
Esses tais "cinquenta" nos levam a uma despedida, nos impõe a necessidade de reconhecer que resta menos pra frente, então não dá pra ser pródigo com os anos.
Surpresas? Ah.. essas sempre acontecem meu amigo. eu me lembro no dia que vi um Fax pela primeira vez! um celular, ou mesmo gente dançando funk.
Ainda vamos nos surpreender sim.
Mas tuas palavras aqui foram muito boas de se ler, de levar a gente refletir, a fazer um balanço e poupar o que dá, pra depois gastar deliciosamente nesta vida.
Meu abraço pra ti que admiro muito.
Branca.


Enviado por Tópico
DomingosdaMota
Publicado: 06/09/2015 16:21  Atualizado: 06/09/2015 16:21
Colaborador
Usuário desde: 15/05/2010
Localidade:
Mensagens: 821
 Re: Ode ao desaparecimento #.#.#
"Só os tolos são felizes." E, mesmo que lúcidos, não há razões para pressas, pois a vida, por muito longa que seja, passa num instante.
Gostei.

(Sugiro a correcção da gralha no v. 14)

DM


Enviado por Tópico
Margô_T
Publicado: 11/07/2016 10:18  Atualizado: 11/07/2016 10:24
Da casa!
Usuário desde: 27/06/2016
Localidade: Lisboa
Mensagens: 277
 Re: Ode ao desaparecimento #.#.#
Um poema que se navega enquanto se ouve uma fala.
Um poema que, apesar de ter as suas próprias personagens, vai muito além delas, tornando-se suficientemente abrangente para nos dar uma lição de vida – ou da sua ausência.
“Passou dos cinquenta e agora” já não há margem para precipitações… Afinal de contas, encontra-se “bem mais perto da despedida” e agora é hora de “aguentar firme”.
Mas se o leitor acha que a mensagem é só para o Milton que se desengane porque o verso “Bem mais longe já esteve quando nasceu” serve para qualquer um…
O “mundo” é “inadequado”, mas o tempo também nos ensina a lidar melhor com o leme, por isso: Bora lá, Milton, “segure o leme com mais firmeza”, não se despenhe.
“O tempo vai piscar nos seus olhos” porque, de repente, passará do é ao não-é (arrepiante este verso, apesar de, a uma primeira leitura, não parecer tão forte quanto o é); e, quando não-for, estaremos “nos braços leves do esquecimento”.

Mas este “mundo inadequado”, de “órbitas difusas”, pode sempre surpreender-nos… e antes que haja o “apagar da luz” há tempo para inúmeras luminescências, assim as saibamos reconhecer e usufruir.
Um poema que vive de uma ambiência trágica e vai, ao longo dos seus versos, ora dramatizando, ora desdramatizando… - assim mostrando a verdadeira face do tempo enquanto o tenta contornar, dizendo-nos, não sem uma ponta de ironia, que o melhor remédio contra a apoquentação e o peito exangue é, talvez – e somente - “um poema que preste”.
Como este teu, acrescentaria.


Enviado por Tópico
ÔNIX
Publicado: 14/07/2016 10:04  Atualizado: 14/07/2016 10:04
Colaborador
Usuário desde: 08/09/2009
Localidade: Lisboa
Mensagens: 2681
 Re: Ode ao desaparecimento #.#.#
Um bom momento de reflexão na leitura deste seu poema, com imagens fortes, ainda que focado na “ausência de luz”, esta será reflectida em todos os passos, quando iniciam a suposta contagem decrescente, que nada mais é do que um caminho de acrescentos à vida.

Os momentos finais, são muitas das vezes os que nos mostram o caminho e o verdadeiro conhecimento assimilado nesse trajecto…experienciado depois de assimilado.

Gostei muito de vir aqui.

Abraços

ONIX