https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Amor : 

A deusa repousa.

 
ritual,
além dos gritos,
nu-vens,
corpo exausto,
das dobras,
dos desejos
conclusos,
da água viva
na pele,
da noturna e
esplendorosa
luminância,
além do viço,
- em silêncio copioso -
a deusa repousa...

 
Autor
cavenatti
Autor
 
Texto
Data
Leituras
500
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
13 pontos
1
2
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Margô_T
Publicado: 25/07/2016 08:22  Atualizado: 25/07/2016 08:22
Da casa!
Usuário desde: 27/06/2016
Localidade: Lisboa
Mensagens: 277
 Re: A deusa repousa.
Após as “dobras,/dos desejos/conclusos”, “a deusa… repousa”.
Gosto particularmente da expressão “dobras/dos desejos” já que não só lembra o dobrar dos corpos em “ritual”, como a multiplicidade de formas com que o desejo se pode repercutir sobre nós - assim como uma dobra em papel tem um montão de hipóteses para se fazer vinco – ou porque, à semelhança de uma dobra, também o desejo se faz, desfaz e refaz.
Depois do som, “dos gritos”, “da água viva/na pele”, o(s) corpo(s) ficam exaustos.
Em nu-vens veio a deusa, e em nuvens ficou quando, “além do viço”, acontece o “silêncio copioso” e é chegada a hora do repouso.
“luminância” é uma palavra que sobressai deste teu poema – não só porque se associa à imagem da deusa, como à imagem do próprio desejo - que reluzindo, crepitando e faiscando, se delineia ao nosso olhar.
Um poema de versos curtos que o tornam leve e fluido.
Se me for permitida uma nota, e se tirasses os três pontos de exclamação finais? Aumentam, a meu ver, a intensidade do último verso, quando, no fundo, tu o pretendes esbater, como que fechando as cortinas do poema enquanto deixas a deusa repousar.
Gostei.