https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

A lâmina afiada do desejo

 
Há um grito preso na garganta
Que teima em tentar escapar
Para voar o infinito
Na busca de te encontrar.
Perambulo pelas ruas incólumes da cidade
Nas vielas escuras
E vejo os olhares a espreita
Para devorar minha alma.
São demônios da escuridão
Que querem destruir os meus sonhos
E eu não tenho medo
Porque vivo na ilusão.
Rasga a minha alma na incerteza
De dias que já não voltam mais
E a solidão de outrora
É apenas uma luz ofuscada na noite.
O grito já não está preso
Foi solto no alto da montanha
Onde agora me encontro
Tristemente a vagar.
Não preciso de seus conselhos
Eles já não me ajudam mais
Há uma incerteza
Que ofuscam a minha visão.
O sol está se escondendo
E o amarelo dourado me deixa triste
Em saber que mais um dia se foi
Em que eu não vi os seus olhos.
As ruas estreitas da viela
São sujas e encobertas pela maldade humana
Pessoas surrupiam a alma de inocentes
Que não deveriam passar por aqui.
Não há mais um grito preso na garganta
Porque a garganta foi cortada
Pela lâmina afiada do desejo
Da liberdade da alma.
Agora ela voa livremente
Rumo ao infinito desconhecido
De uma nova aventura
Que está nos meus pensamentos.

Poema: Odair José, o Poeta Cacerense

 
Autor
Odairjsilva
 
Texto
Data
Leituras
283
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.