Sonetos : 

Solidão

 
Tags:  solidão  
 
Sou rogado pelo vento gelado
Que encontrou o buraco onde estou.
E em uma fria tundra transformou
O meu mundo de solidão privado.

Que a muito tempo o havia despencado
Enquanto olhava para o anjo que voo
Levando consigo o amor que me saudou
Me deixando em mendicância, pelado.

Caído no mais profundo abismo
Tão escuro, tão solitário, tão sombrio.
Lagrimas eram músicas que tocavam o vazio

Que escorriam de meu rosto frio
Fugindo de mim no mais puro egoísmo.
Caindo, ressoando no chão daquele abismo.

 
Autor
mrjack
Autor
 
Texto
Data
Leituras
492
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.