https://www.poetris.com/
Poemas : 

Veleiro

 
Onde habitas?
Está tão longe do meu olhar
Se tornou um lindo sonho
A qual jamais devo acordar
Nem que eu vivesse muitas vidas
Mesmo assim eu não seria uma ave livre
Estaria presa a tua presença
Estaria como um rio a procura deste mar
Inquieto e indeciso
Andaria como um mendigo pelas ruas do teu corpo
A te desejar
Seria uma luz se apagando
Velando tua noite de sono leve
Seria a vela sobre a mesa a te iluminar
Mesmo que eu amasse mil vezes
O mesmo poema teu
Eu seria um veleiro a te encontrar
Seria o farol da tua embarcação
Na esperança de te levar
E ter uma vida inteira para te amar


Nanda

 
Autor
fernandamoreira
 
Texto
Data
Leituras
138
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
25 pontos
5
2
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
IsabelRFonseca
Publicado: 06/12/2016 19:06  Atualizado: 06/12/2016 19:06
Colaborador
Usuário desde: 25/05/2013
Localidade: Algures em Portugal
Mensagens: 957
 Re: Veleiro
🌹 🍃🌹 gostei poetisa bjs fernandamoreira


Enviado por Tópico
Tonyy
Publicado: 07/12/2016 15:12  Atualizado: 07/12/2016 15:12
Muito Participativo
Usuário desde: 22/11/2016
Localidade:
Mensagens: 61
 Re: Veleiro
Belo e apaixonado poema. Parabéns.


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 11/01/2017 20:29  Atualizado: 14/01/2017 00:23
 Re: Veleiro

A essência da Matemática é a sua liberdade
O meu amor sobre tudo é infinitamente grande
E a tolerância escreve-se assim :
Open in new window


A essência da Matemática tem de limites
o mais infinito ou tende para o mais infinito e escreve-se:
- Se, para todo o número L positivo existe uma ordem
para tal que para é maior do que L.
Ou seja, se para qualquer real positivo existe uma ordem
a partir da qual todos os termos da sucessão
são maiores do que esse real.



hoje os piratas e tiranos governam a Terra ,
amanhã o mundo todo será feito de logro
e lágrimas e eu menos que um ilhéu perfeito ,
apenas busco um sítio no planeta onde ancorar este navio veleiro ,
ao menos soubesse pra onde ir neste mar imenso
pra morrer como gosto feito ess'outro ilhéu do género o meu,
isolado mas sem fronteiras senão a paixão da busca sem fruto por essa ilha "fermosa"
outra nos mares ao sul do mundo ainda livre de piratas
esses que mandam em tudo,
todos e em todas as manhãs deste mundo
redondo em logro e lágrimas feito.
Ter eu uma ilha pra tornar um pouco melhor tudo
,pelo menos busco, busco pouco a pouco,
inda que sem fruto


jorge santos