https://www.poetris.com/
Poemas : 

ESCOMBROS DA HUMANIDADE – Parte I: Nossa Justiça

 
ESCOMBROS DA HUMANIDADE – Parte I: Nossa Justiça
Davys Sousa


A humanidade como vive?
Ela é o Bem e o Mal de sempre.
O Mundo, hoje, é só consciente de sua ignorância
E mesmo assim, ignora-la.

O mundo é escravo de sua intolerância
Escravo de suas religiões, conceitos, leis,
Escravo de sua escravidão interior,
De sua forma de mal entender as coisas.

O homem primitivo ainda vive
Selvagem, mas trajado nas ruas
Homens com máscaras
Homens insensatos,
Homens ignorantes,
Todos pequenos, poder-se-ia dizer que inúteis
Por suas incapacidades de transformar o Mundo
Em algo melhor, tornar suas vidas menos fúteis

O Mundo se torna cada vez mais imprestável
Pela humanidade que o mata,
Que o abandona...

Homens são apenas feras
Só que trajadas, armadas...

Não precisamos defender os direitos
De quem tira e violenta os de outros,
Não precisamos ser humanos
Quando tratamos com bestas indomáveis,
Precisamos ouvir os desabafos do Mundo,
Dos direitos de quem merece,
E não escutar frágeis e distorcidas mentalidades perdidas.

Não precisamos deixar de ter coração para fazer isto,
Apenas, deixarmos ser livres do que tira nossa liberdade,
Ou veremos só miséria, sofrimento, medo e morticínios.

Nossos conhecimentos e fé em algo que não vingará
Fazem-nos decair mais e mais...
Aprisionados, envenenados, apodrecendo
Dentro desse Mundo de injustiças,
Sem podermos nos defender, será que é isso que queremos?
Não existirá mais futuro,
Não existirá mais humanidade,
Apenas escombros e nada mais.



Davys Sousa
(Caine)

 
Autor
caine
Autor
 
Texto
Data
Leituras
54
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Lucineide
Publicado: 18/06/2017 14:25  Atualizado: 18/06/2017 14:25
Colaborador
Usuário desde: 06/12/2015
Localidade:
Mensagens: 1027
 Re: ESCOMBROS DA HUMANIDADE – Parte I: Nossa Justiça
Concordo com sua poesia. Somos escravos de nós mesmos. Os canibais ainda moram na humanidade. Se assim não fosse, o mundo não teria tanto sangue derramado, por causa de Bobagens. Parabéns pela poesia.
Bom domingo.