https://www.poetris.com/
Poemas -> Dedicatória : 

Outra voz canta - às heróicas mães dos mortos e desaparecidos políticos (Daniel Viglietti e Mario Benedetti)

 
 
Open in new window

Por trás da minha voz
- ouça, ouça -
outra voz canta.
Ela vem de trás, de longe;
vem de enterradas
bocas e canta.
Elas dizem que não estão mortos
- ouça-os, ouça -
enquanto a voz aumenta
quem se lembra deles e canta.
Ouça, ouça;
outra voz canta.

Eles estão em algum lugar / dispostos
desconcertados / surdos
procurando / procurando por nós
bloqueados por sinais e dúvidas
contemplando as portas dos quadrados
as campainhas / os telhados antigos
ordenando seus sonhos, seu esquecimento
talvez convalescendo de sua morte particular
Ninguém os explicou com certeza
Se eles já foram embora ou se não,
se eles são pergaminhos ou tremores
sobreviventes ou responsos
Veem passar árvores e pássaros
e eles não sabem a que sombra pertencem.

Eles dizem que agora vivem
em seu olhar.
Segure-os com os olhos
com suas palavras;
sustente-os com sua vida
que eles não se perdem,
que não caem
Ouça, ouça;
outra voz canta.

Quando eles começaram a desaparecer
três, cinco, sete cerimônias atrás
desaparecem como sem sangue
como sem rosto e sem razão
eles viram através da janela de sua ausência
o que foi deixado para trás / que andaimes
de abraços, céu e fumaça.

Eles não são apenas memória,
eles são vida aberta
contínua e ampla;
eles são o caminho que começa.
Canta comigo,
eles cantam comigo

Eles dizem que não estão mortos;
ouça-os, ouça
enquanto a voz aumenta
quem se lembra deles e canta.
Canta comigo,
eles cantam comigo

Quando eles começaram a desaparecer
como o oásis nas miragens
desaparecem sem palavras finais
eles tinham as peças nas mãos
de coisas que eles queriam.

Eles estão em algum lugar / nuvem ou sepultura
eles estão em algum lugar / tenho certeza
lá no sul da alma
é possível que eles tenham perdido a bússola
e hoje vagam pedindo, perguntando
onde caralho fica o bom amor?
porque eles vêm do ódio.

Eles não são apenas memória,
eles são vida aberta
eles são o caminho que começa
e quem nos chama.
Canta comigo,
eles cantam comigo
Eles dizem que não estão mortos;
ouça-os, ouça

enquanto a voz aumenta
quem se lembra deles e canta.
Canta comigo,
eles cantam comigo
Eles não são apenas memória,
eles são vida aberta
eles são o caminho que começa
e quem nos chama.
Canta comigo,
eles cantam comigo
Canta comigo,
eles cantam comigo
Canta comigo,
eles cantam comigo

Letra Original

Por detrás de mi voz
-- escucha, escucha --
otra voz canta.
Viene de atrás, de lejos;
viene de sepultadas
bocas, y canta.
Dicen que no están muertos
-- escúchalos, escucha --
mientras se alza la voz
que los recuerda y canta.
Escucha, escucha;
otra voz canta.
Están en algún sitio / concertados
desconcertados / sordos
buscándose / buscándonos
bloqueados por los signos y las dudas
contemplando las verjas de las plazas
los timbres de las puertas / las viejas azoteas
ordenando sus sueños sus olvidos
quizá convalecientes de su muerte privada
Nadie les ha explicado con certeza
si ya se fueron o si no
si son pancartas o temblores
sobrevivientes o responsos
Ven pasar árboles y pájaros
e ignoran a qué sombra pertenecen.
Dicen que ahora viven
en tu mirada.
Sostenlos con tus ojos,
con tus palabras;
sostenlos con tu vida
que no se pierdan,
que no se caigan.
Escucha, escucha;
otra voz canta.
Cuando empezaron a desaparecer
hace tres cinco siete ceremonias
a desaparecer como sin sangre
como sin rostro y sin motivo
vieron por la ventana de su ausencia
lo que quedaba atrás / ese andamiaje
de abrazos cielo y humo.
No son sólo memoria,
son vida abierta,
continua y ancha;
son camino que empieza.
Cantan conmigo,
conmigo cantan.
Dicen que no están muertos;
escúchalos, escucha,
mientras se alza la voz
que los recuerda y canta.
Cantan conmigo,
conmigo cantan.
Cuando empezaron a desaparecer
como el oasis en los espejismos
a desaparecer sin últimas palabras
tenían en sus manos los trocitos
de cosas que querían.
Están en algún sitio / nube o tumba
están en algún sitio / estoy seguro
allá en el sur del alma
es posible que hayan extraviado la brújula
y hoy vaguen preguntando preguntando
dónde carajo queda el buen amor
porque vienen del odio.
No son sólo memoria,
son vida abierta,
son camino que empieza
y que nos llama.
Cantan conmigo,
conmigo cantan.
Dicen que no están muertos;
escúchalos, escucha,
mientras se alza la voz
que los recuerda y canta.
Cantan conmigo,
conmigo cantan.
No son sólo memoria,
son vida abierta,
son camino que empieza
y que nos llama.
Cantan conmigo,
conmigo cantan.
Cantan conmigo,
conmigo cantan.
Cantan conmigo,
conmigo cantan.

Mario Benedetti, poeta uruguaio e Daniel Viglietti, compositor e cantor uruguaio.

Imagem: "Monumento em Homenagem aos Mortos e Desaparecidos Políticos" in Parque do Ibirapuera, São Paulo, Brasil
 
Autor
AjAraujo
Autor
 
Texto
Data
Leituras
176
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
2
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 01/04/2019 12:05  Atualizado: 01/04/2019 12:05
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 15944
 Re: Outra voz canta - às heróicas mães dos mortos e desap...
Poeta
Bela canção! Espero que nunca calem nossa voz.
Obrigada pela partilha!
Beijos!
Janna

Enviado por Tópico
Gyl
Publicado: 01/04/2019 15:14  Atualizado: 01/04/2019 15:14
Membro de honra
Usuário desde: 08/08/2009
Localidade: Brasil
Mensagens: 15079
 Re: Outra voz canta - às heróicas mães dos mortos e desap...
Censura/Tortura nunca mais!