https://www.poetris.com/
Poemas : 

Esmolador

 
Esmolador, eu olho nos seus olhos e sinto neles
que você foi um dia um lindo amanhecer de sábado;
pedra, poeira e chão,
seu ser de margarida, flor de mãe,
estrela de vida, brilho apagado,
parece vergalhões retorcidos entre concretos armados.

Você chora com lágrimas secas, com o pão que lhe dou,
sobre o seu corpo nu que vive esquivando
entre viadutos, calçadas e meios fios,
pobre esmoleiro sem destino,
ultrajado nos semáforos da vida insana que tem.

Esse olhar que vê e sente como gente,
por entre pernadas e abraços,
uma mão estendido, a outra encolhida
para não testemunhar o pecado capital refletido
no rosto que padece, na expressão perdida,
pedindo esmolas nas calçadas e esquinas...

Quando por descuido não entra no bolso o que precisa,
sai com a força de um soco,
furando as nuvens, quebrando a frieza do orgulho,
provocando chuva no seu sertão;
se levanta e sai correndo atrás do clarão do dia
que se esvai na contra mão, todas estendidas,
podre mendigo, que vida!!

TCintra

 
Autor
Tcintra
Autor
 
Texto
Data
Leituras
31
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.