https://www.poetris.com/
Poemas : 

Adormecida

 
Soltam-se os versos
Em cascatas
de poesia,
Como se acordassem a natureza
morta ao poema.

Adormecido ficou, como uma princesa
de vestes modestas,
ao canto dos animais
em plena selva.

Num beijo de poesia
correu o vento,
adocicado pela ternura dos sonhos
inóspitos.

Como se o pinóquio
fosse a adocicada maçã
E a bruxa
o hálito



Esqueci
 
Autor
Esqueci
Autor
 
Texto
Data
Leituras
173
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
18 pontos
4
3
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 25/02/2021 18:24  Atualizado: 25/02/2021 18:24
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 17075
 Re: Adormecida
Esqueci
Sorte do Pinóquio que a bruxa era do bem e não o transformou em um sapo quando o pegou desprevenido devorando a maçã pelo fundo e guloso chupando seu gelado! Ainda bem que foi a bruxa do bem que assistiu a cena do boneco devasso, se fosse a bela adormecida ainda estaria encantada, teria cochilado e da cena não veria nada! Rsrs
Deixa essa história quieta!
Apreciei a leitura!
Beijos!
Janna


Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 26/02/2021 09:38  Atualizado: 26/02/2021 09:44
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1939
 Re: Adormecida
Há um subtema de "conto de encantar" em todo o decorrer do poema. A começar pelo próprio título.
Ao acordar "...a natureza morta ao poema..." começa a relação conturbada que poeta e poesia pode ser. Gostei imenso destes versos. Para começar, parece também falares de pintura.
A "...princesa de vestes modestas..." encaminha-nos para uma antítese e mantém-nos no subtema, mas referindo-se ao poema dá-nos uma adjetivação de humildade e nobreza, ao mesmo. A segunda estrofe é uma beleza ao nível sonoro.

Ao introduzires o "...vento..." na terceira estrofe (e o beijo tão sugestivo) surge uma das personagens metafóricas mais ricas e que mais admiro - o agitador.

O trocadilho da última estrofe, ainda que na forma de comparação dá um tom irónico esmagador.
Uma delícia o teu poema em que a adormecida parece acordar,... cheia de energia.

Nota: Por algum motivo que me escapa, não tenho conseguido responder ou escrever mensagens privadas. Ainda as recebo. Posso ler. Mas quando respondo, nada surge na caixa de enviadas e tenho a ideia de que não recebem.

Obrigado pela leitura