https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

África e balança do meia-a-meia

 
Open in new window

Ó África, minha África,
África de hienas e Helenas
África de sol e praias.
África de embriagante maruvo

Ó África, no teu ventre-mãe,
Jazz infindável riqueza,
Riqueza adormecida
Pela mão sorna do teu povo

África de dendém e mulembas
África de ouro e petróleo
De calor e diamantes.
África de minas douradas

Ó áfrica minha,
Acorde do teu sono profundo,
E chame teus filhos pelo nome.
É hora de operar teu ventre-mãe

Se cuide, se cuide África minha,
Que o cirurgião não seja do lado de lá
Pra que o fruto do teu ventre
Não conheça a balança do meia-a-meia

Do lado de cá,
Há-de-haver cirurgiões nativos,
Acabados de acordar do sono profundo,
E olhos postos no evoluir das terras do lado de de lá

Acorde, acorde minha África,
De rica, tens tudo
E não feche meninas dos teus olhos
Perante olhares furtivos à tua barriga prenhe

A maternidade ainda está longe
Mas, hás-de parir mamã-África,
Do teu ventre brotará fartura,
E o olhar do teu povo
Ficará nas fronteiras do teu olhar

Adelino Gomes-nhaca


Adelino Gomes

 
Autor
Upanhaca
Autor
 
Texto
Data
Leituras
360
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
23 pontos
1
3
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Upanhaca
Publicado: 23/11/2022 11:11  Atualizado: 23/11/2022 11:11
Colaborador
Usuário desde: 20/01/2015
Localidade: Sol Poente
Mensagens: 7605
 Re: África e balança do meia-a-meia
Ó África,
África minha,
Todos os olhos do mundo
Se convergem no teu ventre-mãe,
Que tarda a conhecer bisturis do cirurgião,
Formatado pelas cacimbas do lado de cá.

Open in new window