Poemas -> Desilusão : 

Não há romãs na primavera

 
 
Agora pela manhã
Surge uma nova quimera
Apetece-me uma romã
Em plena primavera

A loja abre e lá vou dentro
Tal como sempre entro
Agora são sete da manhã
Quero só uma romã

Espero a minha vez
O meu reflexo na tez
A fila é longa
Já são oito e três

Esperei e esperei
Mas quando à minha vez cheguei
Depois de pedir romã à dona Alice
A mesma riu-se e disse:

"Por mais que venda lã
Cá não há nenhuma romã
Está numa padaria,
Não numa mercearia."

As horas que passei a esperar
Foram todas em vão
Na loja a olhar
Só consegui ver pão

Fui à mercearia
À procura da romã que queria
Nela também não havia
Fiquei bem todavia

Tanta expectativa
Fiquei à deriva
Sem ter o que quis
Fiquei um pouco infeliz

Com um pouco de sono
Já não mais estou terno
Romã é fruta de outono
Por pouco de inverno

Sempre houve romã
Mas é primavera
O tempo espera
Por outra manhã

Se não houve romã,
Foi na errada manhã,
Na loja errada,
Na errada entrada

E na chuvosa primavera
Levanto-me e digo "ó pá"
Sabe-se que pelo que se espera
Só há onde e quando há

------------------------------------------
P.S.
Este poema foi escrito no dia 28 de março de 2024 depois de Cristo. Terminou de ser escrito às 10 e 57 da noite, horário UTC+0.

Neste poema, tento refletir que as decepções são inevitáveis, e temos de saber aceitar e lidar com elas. Afinal, não podemos controlar se ficamos decepcionados ou não, só o que fazemos quanto a isso.

Quando uso a palavra quimera, refiro-me a algo que é provavelmente impossível de concretizar, e que se deseja.

Sujeito a interpretação. Se algum verso for difícil de interpretar ou não parecer fazer sentido, não hesite em comentar. Vou dizer o que se passava na minha cabeça ao escrevê-lo, ou algo que faça sentido dizer, simplesmente.

Resto de bom dia/noite/tarde. Abracitos.
 
Autor
itsmike
Autor
 
Texto
Data
Leituras
133
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
20 pontos
4
4
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Quandoachuvacai
Publicado: 30/03/2024 23:22  Atualizado: 31/03/2024 08:11
Membro de honra
Usuário desde: 21/10/2014
Localidade: Lisboa
Mensagens: 1117
 Re: Não há romãs na primavera
Não há romãs na primavera, como não existe amor no meio do ódio e tudo o que o acompanha … Não existe romãs mas existe aromas , essências, memória, lembranças…
Não existe romãs ,Mas existe tantas frutas, flores para recolher sua essência e usar em outras estações…

Desculpe o meu pensamento vago mas acabou por me inspirar…
Sabe porque ?

Porque a romã e o meu fruto preferido,
E dela hoje só sinto a essência.
E guardo as fotografias da sua beleza interior….


E cheguei a conclusão
Que a última romã que comi pareceu que foi ontem …
Hoje comi papaia e era ótima… 😂


Obrigada por sua partilha

Boa páscoa

By. acor

Enviado por Tópico
Alemtagus
Publicado: 03/04/2024 14:23  Atualizado: 03/04/2024 14:23
Membro de honra
Usuário desde: 24/12/2006
Localidade: Montemor-o-Novo
Mensagens: 3099
 Re: Não há romãs na primavera p/ itsmike
Devo notificar o poeta de que, hoje em dia, já há romãs o ano inteiro. O que deixou de haver foram as quatro estações.

Enviado por Tópico
HorrorisCausa
Publicado: 11/04/2024 12:37  Atualizado: 11/04/2024 12:37
Administrador
Usuário desde: 15/02/2007
Localidade: Porto
Mensagens: 3585
 Re: Não há romãs na primavera / Itsmike
olá itsmike

a romã , fruto milenar, associada a paixões, fecundidade.
não sendo um fruto de primavera, teu poema , logo em título o diz, traz , no entanto a celebração do renovar , do florecer da primavera, associando o simbolismo da romã. para mim, uma associação feliz, nessa procura .

volta com mais "fruta", por favor

atenciosamente
HC