Poemas : 

Caixão sem gavetas

 
Caixão sem gavetas

Sempre foi tão mesquinho e avarento
Somente valorizava o maldito dinheiro
Vivia economizando a todo o momento
Por alguns centavos fazia um brigueiro

Nunca dividiu nada com os seus colegas
Ia a pé na chuva pra não sujar o carro
Não viajava por mais de vinte léguas
De sovina o chamavam, tirando sarro

Por aqui só acumulou bens materiais
Pois sempre passava alguém pra trás
O seu negócio era repleto de tretas

Jamais deu valor aos seres humanos
Só o dinheiro estava em seus planos
Mas o seu caixão não tinha gavetas.

jmd/Maringá, 30.08.12




verde

 
Autor
João Marino Delize
 
Texto
Data
Leituras
136
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
1
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 12/04/2024 14:09  Atualizado: 12/04/2024 14:09
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 18165
 Re: Caixão sem gavetas
Poeta
São tantos avarentos vivendo nessa ilusão como se no caixão gavetas houvesse!
Adorei a leitura e reflexão!
Parabéns!
Abraço!
Janna