Poemas : 

Histórias de amor inacabadas (4)

 
 



Três pontes numa mão e o coração na outra margem.


Open in new window




Esta história de amor nasceu de outras histórias.

Uma história de dois estrangeiros enamorados por dois estrangeiros.

A primeira vez que se encontraram foi no aeroporto de Heathrow, dois portugueses a embarcarem no voo para Dublin, ao encontro dos seus amores irlandeses.

Enquanto esperavam, falaram dos seus projetos futuros. Ela, de nome Joana, ia ao encontro do seu Kevim, dois estudantes universitários que se conheceram na noite do Porto.

Ele, de nome Luís, ia ao encontro da sua Dawn, dois estudantes do liceu que se encontraram num hotel do Algarve.

Passaram 5 anos, e no aeroporto de Dublin, Luís voltou a encontrar Joana, agora em diferentes situações. Ele estava prestes a viver junto com Dawn, enquanto Joana chorava em pranto por ter terminado com Kevim. Ele tentou consolá-la com palavras de esperança e deixou o seu contacto.

Por coincidência ou não, Joana nunca o contactou. Uns meses depois, Luís também terminou o seu relacionamento.


Será que o amor poderia renascer depois de tanto desamor?

Será que aqueles dois jovens ainda se iriam encontrar outra vez?

Como diz o saber antigo, não há duas sem três, Luís resolveu fazer os caminhos de Santiago e em Tui encontrou Joana trilhando o mesmo caminho.


Será que ambos precisavam de mais sinais para caminharem juntos?

Será que começou uma grande história de amor entre os dois?



Continua...





“Acredito que o céu pode ser realidade, mas levarei flores para o pai - Erotides ”

 
Autor
agniceu
Autor
 
Texto
Data
Leituras
113
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Vania Lopez
Publicado: 14/05/2024 23:34  Atualizado: 14/05/2024 23:34
Membro de honra
Usuário desde: 25/01/2009
Localidade: Pouso Alegre - MG
Mensagens: 18165
 Re: Histórias de amor inacabadas (4)
Não duvido do destino, muito menos barganho com ele. Seus versos são margaridas voando dentro da gente. Bjs