Poemas : 

MORTE À DOR

 
Tags:  dor    espada    matar  
 


Espada a prumo! "En garde"!
Cuidado com a maldita dor
Que ataca, sempre cobarde,
De rompante, no seu alarde,
Cravando o aço sem pudor!

Aqui não haverá ferimento!
Serei ágil no “contra coupé”,
Serei mor no “engajamento”,
Mais rápido no “batimento”,
Et voila: faço um "touché"!

Que o instinto me avise
Se houver novo ataque…
E surgirei em forte “remise”,
Uma e mais outra “reprise”,
Pondo a sua "guarda" a saque!

Pelejarei contra o desterro
Neste amor-próprio latente!
Farei a "tomada de ferro"
E numa "estocada" sem erro
Matarei a dor… para sempre!


 
Autor
AlexandreCosta
 
Texto
Data
Leituras
112
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
8 pontos
2
3
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Barbozza
Publicado: 28/05/2024 17:30  Atualizado: 28/05/2024 17:30
Membro de honra
Usuário desde: 24/07/2009
Localidade: Brasil - Alagoas
Mensagens: 1580
 Re: MORTE À DOR
AlexandreCosta, sempre com poemas de alto padrão e cheio de enigmas a decifrar-, abraço

Enviado por Tópico
Beatrix
Publicado: 29/05/2024 03:53  Atualizado: 29/05/2024 03:53
Super Participativo
Usuário desde: 23/05/2024
Localidade:
Mensagens: 101
 Re: MORTE À DOR / Alexandre Costa
-
Olá.

Uma MORTE À DOR com um dose de ironia e sarcasmo que é o que a dor merece.
Well done

E curioso como morte e dor no mesmo título fazem um poema destes. Atrevimento, esse seu Alexandre. De desafiar a dor. Mas com esperança.
Brincando com a seriedade do assunto. Haverá melhor forma de lidar com isso?
A dor, se o ler, ficará furiosa.

Boa! Gostei. Obrigada, Alexandre.

Beatrix