https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Introspecção : 

POEMA QUE NÂO SE VÊ

 
Anda traiçoeira a poesia
que a mim chega e arredia
da vida que paço e meço…
Confesso que não consigo,
por mais que sinta o desejo,
por mais que fale comigo,
eu sinto-a, mas não a escrevo.

Ao olhar a folha branca,
meus olhos lêem o nada
na mística escrita que sangra
em tom de mudez embalada.
Tropeçando na sombra e na luz
que ainda nunca transpus.

E os meus dedos me doem
de tanto escrever a minha alma
nas folhas que no incerto caem,
na vontade que não se acalma.

Ficam a escorrer segredos,
- Serão fluidos de medos,
da flácida tinta mole?
Que não se move, nem se lê
nas infinitas palavras em rol
do poema que não se vê?

Por tempo ou por medo…
Um outro dia já passou,
um novo está para vir
à espera de outro dia
que ainda não chegou
(nem se sabe se há-de surgir!)





Jorge Oliveira

VISITE E COMENTE O MEU BLOG

Mais poemas em:


http://afacedossentidos.blogspot.com/

Direitos Reservados
 
Autor
quidam
Autor
 
Texto
Data
Leituras
574
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Ledalge
Publicado: 20/07/2008 23:44  Atualizado: 20/07/2008 23:44
Colaborador
Usuário desde: 24/07/2007
Localidade: BRASIL
Mensagens: 6880
 Re: POEMA QUE NÂO SE VÊ
PODES ESTAR ARREDIO DAQUI DO SITE, MAS DA POESIA NEM UM POUCO. JORGE, EU GOSTO DO QUE VOCÊ ESCREVE. VOLTE RÁPIDO, AMIGO! BEIJOS,NÚRIA.