https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Décima… Alentejo meu tesouro.

 
Mote.

Há tanta ideia perdida
Nos campos de trigo ouro
Vasta planície com vida
Alentejo meu tesouro

Por entre vales e serras
Chaparros e azinheiras
Sobreiros e velhas eiras
Contidos em farta rima
Entre memória com história
A planície embriagada
Nas rimas de triste fado
Canta aqui e acolá
Quase sempre ao deus dará.
Há tanta ideia perdida!!

Assim os dias vão passando
Na letargia de um ribeiro
O seu povo verdadeiro
Alegre cantarolando
Modinhas que são besouro
Que elevam os sentidos
No vento com seus gemidos
A saudade é bebedeira
Triste namoradeira
Nos campos de trigo ouro

Velhos de cabelo branco
Jovens de esperança viva
Esta terra está cativa
Presa em fundo barranco
A alma de todos nós
Moinhos de tantas mós
Em grupo ou mesmo sós
O trigo lá vão moendo
Em quadras que vão escrevendo
Vasta planície com vida

Por agora eu termino
Ao cantar que a voz me doa
Alentejo me perdoa
Este meu jeito franzino
Venho da casta de um mouro
Que um dia caiu do vento
Plantou aqui seu rebento
Por entre o barro vermelho
Hoje no céu como um espelho
Alentejo meu tesouro.



Poesia de Antonia Ruivo


Era tão fácil a poesia evoluir, era deixa-la solta pelas valetas onde os cantoneiros a pudessem podar, sachar, dilacerar, sem que o poeta ficasse susceptibilizado.

Duas caras da mesma moeda:

Poetamaldito e seu apêndice ´´Zulmira´´
Julia_Soares u...

 
Autor
Antónia Ruivo
 
Texto
Data
Leituras
1019
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
21 pontos
5
0
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
rosafogo
Publicado: 09/02/2014 19:52  Atualizado: 09/02/2014 19:52
Colaborador
Usuário desde: 28/07/2009
Localidade:
Mensagens: 9599
 Re: Décima… Alentejo meu tesouro.
Uma belíssima homenagem à província e ao povo alentejano, à natureza, fazendo exaltação a toda a beleza existente.

Gostei muito
bj.

Enviado por Tópico
Transversal
Publicado: 10/02/2014 19:48  Atualizado: 10/02/2014 19:48
Colaborador
Usuário desde: 02/01/2011
Localidade: Fortaleza - Lisboa
Mensagens: 3687
 Re: Décima… Alentejo meu tesouro.
Quero agradecer-te em primeiro lugar, é mais fácil começar assim.
Porque recuei a 1981, ou 82, ou a 1980, quando estive em Vila Viçosa num encontro de poetas (repentistas alentejanos), e depois mais tarde até me enviaram o livro pelo Correio. Mas a parte mais importante disto tudo é que ao ler-te "Venho da casta de um mouro", "Ao cantar que a voz me doa", me dei novamente lá "No ventos com os seus gemidos". Coisas. Parabéns. Obrigado.

Agradeço-te

Enviado por Tópico
Antónia Ruivo
Publicado: 12/02/2014 10:44  Atualizado: 12/02/2014 10:44
Colaborador
Usuário desde: 08/12/2008
Localidade: Vila Viçosa
Mensagens: 3906
 Re: Décima… Alentejo meu tesouro.
Obrigado amigos pelas belas palavras que aqui deixaram, um beijinho.

Enviado por Tópico
quidam
Publicado: 12/02/2014 10:59  Atualizado: 12/02/2014 10:59
Colaborador
Usuário desde: 29/12/2006
Localidade: PORTIMÃO
Mensagens: 1438
 Re: Décima… Alentejo meu tesouro.
sabes que sempre gostei de ler e não me irei cansar de o continuar a faze-lo... e mais não digo... és unica...

Enviado por Tópico
Volena
Publicado: 12/02/2014 12:05  Atualizado: 12/02/2014 12:07
Colaborador
Usuário desde: 10/10/2012
Localidade:
Mensagens: 12514
 Re: Décima… Alentejo meu tesouro. P/Antonia Ruivo
Não é em vão que gosto do Alentejo mas por conhecer pessoas como a Antónia amantes do seu cantinho e uma excelente poetisa.


O céu de um azul, profundo,
que quando cai a noitinha,
estende um manto de estrelas
sobre essa terra dourada
como se fora rainha!

É assim o Alentejo (de um poema meu) Um abraço. Vólena