https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Desilusão : 

Emoções que o tempo apagou...

 
Tags:  nada    triste        Solitário    pouco  
 
Amigos eu não tenho
Solitário sou
Porque os teria eu
Se a ninguém eu me dou?

Nasci só
Sozinho morrerei
Sou apenas pó
Pouco ou nada mais serei.

A amizade
Sentimento complicado
Não tenho saudade
Vivo desamparado.

O carinho…
Amargo sentimento
Talvez exista
No teu caminho
Para mim, é descontentamento.

O amor…será que existe?
Sinceramente não sei
Continuarei só e triste
Sempre assim viverei.

 
Autor
amigosolitario
 
Texto
Data
Leituras
734
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
4
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
GlóriaSalles
Publicado: 05/08/2009 22:16  Atualizado: 05/08/2009 22:16
Colaborador
Usuário desde: 28/07/2008
Localidade: Flórida Pta-SP
Mensagens: 2514
 Re: Emoções que o tempo apagou...
Permita-me dizer, amigo solitario,
o amor existe, sim, está em toda parte,
se mostra de várias formas, tem muitas nuances.
Um coração sensivel sabe definir.
Espero que seja o seu caso.

meu carinho.
Open in new window


Enviado por Tópico
samanthabeduschi
Publicado: 06/08/2009 01:21  Atualizado: 06/08/2009 01:21
Da casa!
Usuário desde: 09/07/2009
Localidade: Curitiba - Brasil
Mensagens: 426
 Re: Emoções que o tempo apagou...
O tempo até pode nos distanciar das emoções sentidas..., mas a memória não permite que se apaguem totalmente do nosso pensamento. Dedico-lhe neste momento um poema que fala da memória e do tempo:

Tempo x Memória

Invejo o poder do tempo,
que faz do espaço, palco,
e da vida, mero entretenimento:
após terno momento, apressando-se parte;
não diz adeus, sequer acena um alento.

Tempo, amante inconstante,
que quando o sofrimento se estabelece,
então me acompanha,
lenta e prazerosamente se apresenta,
em artimanha desacelera...

Invejo o poder do tempo,
mas nesse jogo carrego um trunfo:
minha memória, doce domínio,
ao tempo nunca se submeterá.

Pobre poderoso tempo,
há tempo escondes um secreto tormento,
teu único sentimento:
a inveja que tens da atemporal beleza
da memória no meu pensamento.

Grande abraço!