https://www.poetris.com/
Vinícius de Moraes : Soneto do Amigo
em 28/04/2011 22:19:09 (4768 leituras)
Vinícius de Moraes



Enfim, depois de tanto erro passado
Tantas retaliações, tanto perigo
Eis que ressurge noutro o velho amigo
Nunca perdido, sempre reencontrado.

É bom sentá-lo novamente ao lado
Com olhos que contêm o olhar antigo
Sempre comigo um pouco atribulado
E como sempre singular comigo.

Um bicho igual a mim, simples e humano
Sabendo se mover e comover
E a disfarçar com o meu próprio engano.

O amigo: um ser que a vida não explica
Que só se vai ao ver outro nascer
E o espelho de minha alma multiplica...


Imprimir este poema Enviar este poema a um amigo Salvar este poema como PDF
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 28/04/2011 22:32  Atualizado: 28/04/2011 22:32
 Re: Soneto do Amigo
quem sou eu, pobre mortal, de comentar Vinicius. vou é me entregar ao gozo de ler e ouvir...



valeu Helen!
beijo, teu fã.

Enviado por Tópico
Lucineide
Publicado: 30/12/2015 20:30  Atualizado: 30/12/2015 20:30
Colaborador
Usuário desde: 06/12/2015
Localidade:
Mensagens: 1261
 Re: Soneto do Amigo
Viajo em cada poesia de Vinicius. Muito tenho aprendido com esse mestre.

Amigos são estrelas,
mesmo estando a mil quilômetros,
ainda apreciamos seu brilho.


Lucineide

Links patrocinados

Visite também...