https://www.poetris.com/
Nuno Rocha Morais : Trincheira
em 22/05/2011 17:31:26 (1716 leituras)
Nuno Rocha Morais

À hora zero, deixei de rezar à Virgem.
Ao meu lado, alguém tentava manter
As entranhas dentro do corpo
Que já não lhe pertencia,
Entranhas com vida própria,
Deslizando, serpenteando,
Pairevam luzes irreais como medusas
Enquanto troava
A ridicula voz de barítono.
Em tudo isto, as vidas são
Cativeiro, fedor, canículas.
Não me perdoarei ter traído
A morte de tantos
Só porque a morte não me quis.


Imprimir este poema Enviar este poema a um amigo Salvar este poema como PDF
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Betimartins
Publicado: 23/05/2011 21:33  Atualizado: 23/05/2011 21:33
Da casa!
Usuário desde: 25/06/2007
Localidade:
Mensagens: 467
 Re: Trincheira
Lindo ultrajante e revolto em misterios...A morte..
Gostei
Paz profunda
Betimartins

Enviado por Tópico
Transversal
Publicado: 24/05/2011 03:37  Atualizado: 24/05/2011 03:37
Colaborador
Usuário desde: 02/01/2011
Localidade: Fortaleza - Lisboa
Mensagens: 3687
 Re: Trincheira
O que mais impressiona neste poema é que Nuno nunca esteve na guerra colonial,. Quando o li pela primeira vez veio me imediatamente à memória Fernando Pessoa e “O menino de sua mãe”
“No plaino abandonado,
Que a morna brisa aquece,
De balas trespassado
- Duas de lado a lado -
Jaz morto, e arrefece”

Talvez Pessoa o tenha inspirado, ou apenas uma análise, mas que a morte anda presente, sim, e que o perdão necessário quase que aparece como uma súplica:
“Não me perdoarei ter traído
A morte de tantos”
também…

Links patrocinados

Visite também...