https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

imaginas-me já morta

 
cala-te,não digas nada
que o caminho dessa estrada
é tão duro e violento
e é fatal o movimento
que te faz falar assim.
não vês outra solução
cortas o sangue da mão
que corria sem ter fim.
estás enganado já
quando pensas que não há
outra maneira de ver
preferes fechar a porta
seguro do teu saber
nessa tua hora torta
imaginas-me já morta
em nome de um bem-querer.


cruz mendes

 
Autor
Alexis
Autor
 
Texto
Data
Leituras
859
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
20 pontos
12
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
ÔNIX
Publicado: 13/10/2009 11:39  Atualizado: 13/10/2009 11:39
Colaborador
Usuário desde: 08/09/2009
Localidade: Lisboa
Mensagens: 2679
 Re: imaginas-me já morta
Quando se toma consciência de que algo está muito seguro nas nossas mãos, esquecemos que também elas estão vivas para percorrer outros caminhos


Gostei do poema

Bjs

Matilde D'ônix


Enviado por Tópico
TrabisDeMentia
Publicado: 13/10/2009 14:08  Atualizado: 13/10/2009 14:08
Webmaster
Usuário desde: 25/01/2006
Localidade: Bombarral
Mensagens: 2262
 Re: imaginas-me já morta
Eu vejo um castelo de cartas construído por si. Um castelo aparentemente resistente mas que depende de todas as cartas para se manter de pé. Se as cartas desabarem pegue nelas e jogue à paciência.

Não deixará de ser outra maneira de ver.

Um abraço.


Enviado por Tópico
zedaesquina
Publicado: 13/10/2009 14:14  Atualizado: 13/10/2009 14:14
Super Participativo
Usuário desde: 24/04/2009
Localidade:
Mensagens: 112
 Re: imaginas-me já morta
Se as pessoas soubessem a forte afinidade que a Mãe Natureza tem com a promiscuidade nunca juravam “amar-te-ei para sempre”.
É misturando pretos com brancos e amarelos, católicos com protestantes e muçulmanos, altos e baixos, morenos e loiros, que a natureza consegue atingir a excelência, o Génio. É misturando genes e memes freneticamente que se atinge a perfeição, isto é, que se criam condições estatísticas para que nasçam os seres perfeitamente adaptados ao meio em que vivem, os seres felizes!. Mas também a loucura e o autismo. Sendo estes últimos o doloroso preço a pagar pela possibilidade de atingirmos os primeiros.
Por isso, minha cara Alexis, faz muito bem em rebelar-se contra o anti-natural que representa manter uma relação afectiva-sexual que está em situação de tensão, de ruptura.


Enviado por Tópico
Gyl
Publicado: 13/10/2009 15:21  Atualizado: 13/10/2009 15:21
Membro de honra
Usuário desde: 08/08/2009
Localidade: Brasil
Mensagens: 12561
 Re: imaginas-me já morta
Parece que te vejo dissertando daqui. Sempre talentosa nessa arte da escrita que tanto exije dos teus para que dê bons e pulcros frutos. Vejo beleza na dor e na alegria; No feio e no bonito; No dia e na noite, e, vejo que você também. Beijinho em ti, Alexis!


Enviado por Tópico
poesiadeneno
Publicado: 13/10/2009 16:10  Atualizado: 13/10/2009 16:10
Colaborador
Usuário desde: 27/06/2009
Localidade:
Mensagens: 1407
 Re: imaginas-me já morta
Alexis,

Um poema tão vivo,não faz imaginar o que diz;longe disso.

Apreciei.


Beijo


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 13/10/2009 19:57  Atualizado: 13/10/2009 19:57
 Re: imaginas-me já morta
Podia ser um poema de desilusão, não fosse a traição dos laços que se quebram.
Alguém imagina já morta a esperança, mas essa vive jorrando ainda.
O sangue nas veias do poema, afinal daquilo que somos, não pode ser cortado.
Fazem-se cedências na vida e morre-se.
Não digas nada.