https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Saudade : 

Fala-se de saudades

 
Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
[font=Courier]Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
[/font]Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
[font=Courier]Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
Aquela que invade e desarma
Que te fala que eu ainda estou a esperar
A cada tempo e qualquer lugar,
Em meio a rua , debaixo da chuva
onde ela chegar e pudermos matar.
E será que se mata ou se farta ,
De algo que sempre voltará ?
Mas a saudade é alheia e não é verdadeira
Ou ela te mata ou se mata a maneira,
Então se entregue,tranforme ,faça dela a razão de uma grande emoção
E se me perguntar se em mim virou ela paixão, direi a você :o que seria da saudade se não existisse o fenômeno chamado paixão!
[/font]

 
Autor
Veronica Bastos
 
Texto
Data
Leituras
677
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.