https://www.poetris.com/
 
Resenhas : 

TODA POESIA (REUNIÃO) - APRESENTAÇÃO

 
 

Reunião de todas as poesias que estão em:
Primórdios – Primeira aventura no mundo da poesia (SP.: Clube de Autores, 2010) e Primórdios - Segunda aventura: poesias e contos experimentais (SP.: Clube de Autores, 2010).
Sendo a temática variada: Amor, Brasil, Deus, sociedade, natureza, liberdade, realidade, personalidades, etc.
Reapresento também os contos experimentais:
- O grande mistério;
- Um bailarino diferente...;
- Conto de felicidade;
- Anedota do pedreiro chinês e a flor.
Encarecidamente peço:
- Tenham, por favor, paciência com eles!
- São jovens, mesmo assim, são filhos!

Muito obrigado!

BOAS LEITURAS!
O Autor.

SUMÁRIO

APRESENTAÇÃO ..................................04
PEQUENAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A POESIA..........05
SONETOS........................................07
SONHO DE POETA.................................08
A FAMÍLIA CAJU ................................09
SONHO DE AMOR .................................10
Anjo meu ......................................11
AMOR MATERNO.................................. 13
CINCO ESTRELAS............................... 14
MUSA ..........................................15
Por Ela ... ...............................16
VOCÊ .........................................17
És tu! ........................................18
Eu te amo .....................................19
Amor ..........................................20
ANJO MORENO ...................................21
ESTRANHO AMOR ..................... ...........22
INFINITO ......................................23
ENAMORADO.................................... .24
AFRODITE ......................................25
Sereia ........................................26
Pérola ........................................27
DECADÊNCIA ....................................28
PROCURA .......................................29
PROCURO-TE ....................................30
PROCURA-SE O POEMA ............................31
ADORMECIDO ....................................32
DESCOBRIMENTO .................................33
Saudades de um Brasileiro .....................34
Oração...... ..................................35
DEUS ..........................................36
FALSA VESTAL ..................................37
UIARA .........................................38
SOLIDÃO DA MORTE TRISTE .......................39
Um grito de natureza... .....................40
Tecido ........................................41
Palavras! .....................................42
O homem de várias faces... ................ 43
SÊ BEM-VINDO! .................................44
PRIMAVERA ....................................45
AUSÊNCIAS .....................................46
REALIDADE .....................................47
LIBERDADE.......................... ...........48
Sem palavras ..................................50
Meus pensamentos em ti ........................51
GÊNESIS .......................................52
SÊ... .......................................53
SOLIDÃO .......................................54
Sou eu! .......................................55
O que é o amor? ...............................56
NOVA MUSA .....................................57
Onde estão os limites do amor? ................58
POEMA (QUASE) CONCRETO ........................59
FIM ...........................................60

CONTOS EXPERIMENTAIS

O GRANDE MISTÉRIO..............................62
Um bailarino diferente........................ 64
Anedota do pedreiro chinês e a flor............67
CONTO DE FELICIDADE ...........................68


O GRANDE MISTÉRIO

Um dia, no cimo de uma grande montanha, um Santo Homem aproximou-se de Deus, trazia consigo muitas dúvidas, muitos mistérios, muitas indagações, necessitava de muitas respostas, mas uma entre todas tinha a sua preferência, não exclusivamente sua, mas de toda a Humanidade.
Uma dúvida que há muito nos aflige e tem estimulado aos sábios de todos os tempos: egípcios, hebreus, gregos e troianos, latinos e muitos que vieram depois (os alquimistas da Idade Média, os gênios do Renascimento, os Iluministas franceses) e agora, os teólogos modernos.
Embevecido com o magistral momento, o maior da raça humana, o Homem meditou, concentrou-se..., e finalmente, face a face com o Criador, o Magnânimo, o Pai Celestial, o Supremo Ser..., Nosso Senhor e Deus Todo Poderoso..., envolto e extasiado pela luz que Dele emanava, maravilhado com os clarins angelicais que anunciavam a presença do Senhor, o Santo Homem reuniu suas forças e perguntou:
- Senhor meu Deus - Quem somos nós? Por que estamos aqui? Para onde iremos?
Fez, emocionado pelo momento, as milenares perguntas, e como todo o restante do Planeta, aguardou calado...
A Terra parou totalmente: as águas cessaram as ondas, os ventos não foram mais aos moinhos, as tempestades calaram, furacões e tufões ficaram em silêncio, desapareceram os terremotos; os animais ficaram atentos e "as baleias não mais cruzaram oceanos"; o trânsito serenou; a violência se fez branda e pediu Paz; não houve Fórmula Um e o Senna não mais "pilotou"...; a sinfonia de todos os dias emudeceu; desapareceram as guerras; acabou a fome; morreram as doenças; exterminaram-se as Pestes; o especulador não especulou; os ladrões não furtaram, não roubaram, não mataram; o guarda não apitou; findaram-se as Drogas; ninguém foi à piscina, à escola ou ao trabalho; o trovador não mais cantou sua viola; o nenê cessou de chorar, as crianças pararam a algazarra; não houve mais protestos; o aposentado não foi ao Banco receber seus míseros proventos; as fábricas pararam as fumaças; ninguém procriou; os filósofos não racionalizaram; o sonhador não sonhou; os jesuítas deixaram de lado a sua pregação, o pastor não foi à igreja, o padre não se manifestou.
O Universo paralisou-se em silêncio..., todos aguardavam uma solução para o Antigo Enigma..., mas nesse grandioso momento, infelizmente, um distraído e sonolento ratinho branco, totalmente apático ao que estava acontecendo, guinchou chamando pela "mãe", e foi uma zoada só..., um barulho ensurdecedor..., e com o susto, tudo voltou ao normal. Nós perdemos a oportunidade de ter esclarecido esse Grande Mistério, e Deus?... Simplesmente evaporou-se aborrecido...
Ficou o nosso Santo Homem solitário no ápice da montanha.
E eu caí da cama!...


Um bailarino diferente...

Que a arte (ideal de beleza) tem como principal função retratar o belo (o que tem aparência agradável) todos sabemos, mas o que não esperamos é que junto a esse belo possamos encontrar também o feio (desagradável à vista)isto é, um misto de belo e feio nessa mesma arte. Não o feio repugnante que provoca arrepios, mas o feio tolerável, aquele que não deixa nojo, isento de piedade ou outro sentimento do gênero.
Em se tratando de beleza, principalmente na arte de dançar, ela está bem próxima, é muito expressiva, e, infelizmente, esse é o ponto de vista que está inserto em nosso inconsciente, essa é a idéia que faz parte do nosso psicológico, é dessa maneira que é feita nossa associação mental, embora sejam desconhecidas as origens de tal "conceito".

Leiam o que aconteceu numa tarde de domingo quando fui ao Teatro Nacional para assistir a um espetáculo de dança.

Entrei, e como de costume, sentei-me na primeira fila. Caminhava o bailado quadro a quadro, até que em dado momento entrou em cena um bailarino diferente..., diferente do tradicional; era jovem, vestia branco, glúteos enrijecidos sobre pernas torneadas por sessões de academia, piruetas acrobáticas, e apesar de total domínio na arte de dançar, de realizar de maneira confiante todos os seus movimentos, angariar aplausos e provocar frenesi a um público entusiasmado sendo aplaudido de pé..., um pequeno detalhe o diferenciava, escapava a tudo que estamos acostumados..., não possuía na face nenhum sinal de beleza, lembrava o tocador de sinos de Victor Hugo (*), em suma, era feio, muito feio.

Amanheceu... Estava muito excitado para prestar atenção ao relógio, saltou da cama, era o dia de sua apresentação no Teatro Nacional, por sua mente, quadros e mais quadros lembravam-lhe a aventura no mundo da dança, lutara por seus objetivos, vencera o cansaço dos ensaios diários, enfrentara o desafio da dedicação exclusiva, tivera muitas ausências em reuniões sociais...
Colocou todo material na bolsa (sapatilhas, a fantasia da apresentação, a caderneta que o acompanhava a todos os lugares) foi correndo para o teatro, chegou na hora da reflexão costumeira antes da entrada no palco, fez todos os preparativos enquanto seus colegas gritavam palavras de incentivo, ouviu seu nome ser anunciado, respirou... Entrou com elegância de movimentos, executou todos os passos de maneira correta, e como sempre, arrancou aplausos e, ao iniciar o retorno para o camarim, no exato minuto em que fazia mesuras de agradecimento, alguém na primeira fila chamou-lhe atenção, percebeu algo diferente..., um baixinho careca, usando óculos e barrigudo aplaudia com entusiasmo..., mas como era feio o tal baixinho!

Depois de algum tempo analisando o fato procurei por lições, infelizmente não estamos acostumados ao ocorrido, convivemos com a idéia clássica de que no BALÉ; entendido como coreografia apresentada ao público por diversos dançarinos, geralmente acompanhada por música; prevalece a imagem do belo, não sendo comum encontrar um fato como o acontecido e, como parte integrante da sociedade, fiquei surpreso com o jovem bailarino, mas além de aplaudi-lo com entusiasmo, desejo-lhe muito sucesso, pois, para o talento não existem limites.

(*) O tocador de sinos de Victor Hugo (1802-1885): personagem do romance Nossa Senhora de Paris (1831) traduzido para a Língua Portuguesa como O corcunda de Notre-Dame. Era feio e disforme, mas de bom coração.

Conclusão - Preste atenção ao expressar seu ponto de vista, ele pode ser o pensamento de outra pessoa, inclusive simultâneo.



Anedota do pedreiro chinês e a flor


Era uma vez um homem tolo e uma mulher travessa,
um pedreiro chinês, uma flor e uma construção no interior do País...

O homem não abriu os olhos, mas a mulher travessa abriu a flor...
O pedreiro chinês cheirou, durante longo tempo, a flor...

A mulher travessa virava massa uma vez por mês...

Até que um dia...

E assim termina a historieta do pedreiro chinês...

Quem gostou, leia mais de uma vez...
Quem não entendeu o sentido leia durante o mês...



CONTO DE FELICIDADE


Era uma vez um velho HOMEM maltrapilho, sujo e de longas barbas embranquecidas de tempo, e que vivia em uma espessa floresta de aspecto tenebroso...

(NÃO HÁ REGISTROS OU EXPLICAÇÕES PARA ESTE FATO...)

Mas, dezessete anos antes, ele era um nobre, rico e aventureiro, e podia ser encontrado bailando nos salões luxuosos e dourados dos palácios daquela época...

(MAS, FALTAVA-LHE TÊMPERO...)

Hoje, podemos observar um pequeno detalhe:

Ele encontrou a FELICIDADE...



SONETOS


SONHO DE POETA

Cantas tua musa e tuas verdades.
Tu és alegre, tu és sensível.
Queres para o Mundo: felicidades.
Poeta torne seu sonho possível.

Desejas para todos: liberdades.
Tu possuis idealismo invencível.
Sonhador... Artesão das sensibilidades...
poeta criatura indestrutível.

Defendas os valores cotidianos.
Que tua vontade dure por anos.
Canta o choro do coração fendido.

vítima flechada pelo Cupido.
Cantas para o Amor que não frutificou
da triste alma que o destino separou.

"Que ninguém doma um coração de poeta!"
Augusto dos Anjos (1884 - 1914)


A FAMÍLIA CAJU

Era uma vez a FAMÍLIA CAJU
composta por Papai, Sofia e Ju.
Sofia (CAJU): faz balé e natação,
livros, textos, cinema e televisão.

Por que CAJU? Chamam-na de Juju,
todos dizem - vem cá Ju - (CAJU) ficou.
A família (CAJU) vive a viajar,
rota: Rio-Petrópolis e mar.

Papai (CAJU) come: jiló com chuchu.
Juju (CAJU) gosta de aipo e angu.
CAJU tem os cabelos cacheados

corre para não serem penteados.
Cresce a família caju.
Aos domingos: churrasco e peixe cru.



SONHO DE AMOR

Sonhei em sonho de amor que estava
em terra de paz e felicidade.
Cicerone: fantástica loura.
Musa: grandes, lindos olhos azuis.

Um corpo magro, modelado, esguio...
Adorei esta loura e, encantado,
quis com as forças do meu coração
namorar esta maviosa mulher.

Infelizmente, intrépido não sou,
não tenho Símbolo de Nobreza,
humilde discípulo em Letras sou.

Mesmo assim, Ela deu-me o "telefone",
"liguei"..., obstou a família e NÃO!!!
Adorável sonho... Sex Rapunzel!!!






Augusto de Sênior
(Amauri Carius Ferreira)
(FERREIRA, A. C.)



 
Autor
AugustodeSênior
 
Texto
Data
Leituras
1539
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
4
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
AugustodeSênior
Publicado: 24/12/2010 09:53  Atualizado: 24/12/2010 09:53
Super Participativo
Usuário desde: 26/07/2009
Localidade: Rio de Janeiro - RJ.
Mensagens: 112
 Re: TODA POESIA (REUNIÃO) - APRESENTAÇÃO
Vão aqui alguns sonetos e os meus contos experimentais.
Livro: TODA POESIA (REUNIÃO).
SP.: CLUBE DE AUTORES, 2010.
www.clubedeautores.com.br
AOS AMIGOS: PEÇO QUE DEEM UMA OLHADINHA!
Muito obrigado.
Abraços mil.


Enviado por Tópico
JBMendes
Publicado: 24/12/2010 11:28  Atualizado: 24/12/2010 11:28
Colaborador
Usuário desde: 13/02/2010
Localidade:
Mensagens: 5222
 Re: TODA POESIA (REUNIÃO) - APRESENTAÇÃO
Caro Augusto de Senior - Estive lendo seu intenso e belo trabalho - Lindo belo, bem humorado...
aproveito para enviar-lhe uma mensagem: Poeta, venho acompanhando o seu trabalho
e se pouco comento é porque quem “É” não precisa “SER”...
Aproveito este tempo de intensas vibrações
místicas, que impregnam o nosso pensamento
de poderosas energias, para enviar-lhe meus votos
de Feliz Natal, Não só para o dia de Natal,
mas para todos os dias que hão de vir...
JBMendes

Enviado por Tópico
Julio Saraiva
Publicado: 24/12/2010 11:46  Atualizado: 24/12/2010 11:51
Colaborador
Usuário desde: 13/10/2007
Localidade: São Paulo- Brasil
Mensagens: 4206
 Re: TODA POESIA (REUNIÃO) - APRESENTAÇÃOp/Augusto Sênior
parabéns pela coletânea. o título seria bastante original não tivesse ferreira gullar, o maior brasileiro em atividade,que por sinal também vive no rio de janeiro, tê-lo escolhido bem antes para a reunião de seus poemas: Toda Poesia (1950-1980),José Olímpio Editora. claro que existem obras com títulos iguais. mas há títulos e títulos.neste seu caso, acho que seria o mesmo que alguém compor uma canção e batizá-la Garota de Ipanema, ainda que a garota homenageada residisse no famoso bairro carioca, onde vinícius escreveu os versos da canção que recebeu música do maestro tom jobim, inspirados na graça da menina helô pinheiro, hoje a oportunista avó de ipanema. mas fique tranquilo: a poesia sua e a de ferreira gullar são bem diferentes.

abraço,

j.

j.