https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

O kico da Lurdes Augusta

 
Tags:  regresso    inesperado  
 
«O KICO DE LURDES AUGUSTA»

A vida que a gente sente
(segundo o que se consente)
na vida de uma avezinha;
é deveras interessante;
porque, tal qual como a gente,
a nostalgia é bastante
quando se sente sozinha.

Em arrulho doce e quente
É também um hino à vida:
O terno canto dolente,
igual ao que a gente sente
numa canção dolorida.

Rola que regressa ao ninho
com vontade de partir;
ou tem falta de carinho
ou já não tem para onde ir.

À laia de arrulho triste,
repito como quem chora:
O amor, se é que existe,
só tem de eterno a demora
que leva a fome de alpiste
a ser tampa de Pandora.



Sterea/joanad'arc

 
Autor
Joanad'Arc
 
Texto
Data
Leituras
1227
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
5 pontos
5
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
GuiMüller
Publicado: 18/02/2011 21:19  Atualizado: 18/02/2011 21:19
Muito Participativo
Usuário desde: 23/07/2009
Localidade:
Mensagens: 98
 Re: A rola da Lurdes
Olá poetisa,
Gostei da sua comparação com as rolas, esse poema da vida é singelo e bonito. Muito bom.

Beijo,
Guilherme


Enviado por Tópico
Angela.Rolim
Publicado: 18/02/2011 21:44  Atualizado: 18/02/2011 21:44
Colaborador
Usuário desde: 11/11/2010
Localidade:
Mensagens: 1162
 Re: A rola da Lurdes
A última estrofe diz tudo! Muito boa a analogia que fizeste! Um abraço!

Enviado por Tópico
Sterea
Publicado: 19/03/2011 10:38  Atualizado: 19/03/2011 10:38
Colaborador
Usuário desde: 20/05/2008
Localidade: Porto
Mensagens: 3397
 Re: A rola da Lurdes
À laia de arrulho triste,
repito como quem chora:
o amor, se é que existe,
só tem de eterno a demora
que leva a fome de alpiste
a ser tampa de Pandora.


smiley to you, Joana minha.

Teresa

Enviado por Tópico
Sterea
Publicado: 22/03/2011 22:41  Atualizado: 22/03/2011 22:41
Colaborador
Usuário desde: 20/05/2008
Localidade: Porto
Mensagens: 3397
 Re: A rola da Lurdes
Valorosa Joana, obrigada pelo privilégio e pelo realce.
Abração cá do Puorto!