Poemas -> Fantasia : 

Efêmera

 
Sou Madalena arrependida
Apedrejada em praça pública
Joana D’arc na fogueira
Impudica feiticeira, eu sou
Salomé de João Batista
Com uma cabeça na bandeja
Cleópatra dividida
Entre os homens de Roma e o império do Egito
Sou o grito da donzela
O gozo da prostituta
Minha conduta é suspeita
Sou puta mas sou de virgem
Afrodite, Deusa do amor
Sou as mulheres de Atenas
Sou centenas em uma só
Brigitte Bardot, Marilyn Monroe
Sou a esperança que não voltou da guerra
O holocausto dos Judeus
O ceticismo dos ateus
O adeus que precede a morte, eu sou
Bailarina na caixa de Pandora
A senhora de José de Alencar
Carlota Joaquina, Iemanjá
Ana Bolena e sua irmã traída
Sou as Marias dos Joaquins
As dançarinas dos botequins
Sou Colombina sem Arlequim
A tristeza que inspira
O suspiro que arrebata
O frenesi que arrepia
Sou apenas mais um verso
Em uma poesia que acabou.
 
Autor
nataliarcorrea
 
Texto
Data
Leituras
908
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Transversal
Publicado: 29/04/2011 03:59  Atualizado: 29/04/2011 03:59
Membro de honra
Usuário desde: 02/01/2011
Localidade: Lisboa (a bombordo do Rio Tejo)
Mensagens: 3755
 Re: Efêmera
"sou apenas"..."a tristeza"..."mais um verso"..."que arrebata"..."uma poesia que acabou"..."o grito"..."o adeus"..."que inspira"

Gostei do seu...texto "Efémera"

Abraço te