https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Saudade : 

o Emigrante

 
Ruídos, vozes, sensações,
Cheiros que não são de maresia
Panóplia de cores e de visões
Paradisíacas, ou dantescas
Consoante a luz e perspectiva
E ao longe um sussurro
De lusitana criança
Que me chama e interpela
- Para onde vais?

Tal é o mundo que visito
Tais são os poentes que me deitam
E me largam em sonhos antigos
Tais são os bancos frios,
Dos jardins em que me sento
E os pássaros, sempre os pássaros
Que só me fazem lembrar
Os céus e as águas que deixei

Parte de mim ficou espalhada
Pelos areais limpos em cor de mar,
Pelas pedras que já foram minhas
E das lágrimas que reprimi
Nasceram flores bravas
Nos desertos da minha infância
Crescendo em tons de saudade

Mas os ventos levam-me
Para longe, sempre para longe
As memórias diluem-se
A realidade impõe-se
E a minha existência confunde-se,
Esquecida entre folhas de jornal
Entorpecidas e desbotadas
E imagens apagadas pelo tempo

As vozes falam
E eu já não conheço
As nuvens que me perseguem,
Mãos que chegam e que partem,
Que me levam, distante de mim mesmo
Para outros mares, cintilantes
Mas sem o sabor do sal
Sem aquele suave marulhar
E aquele murmúrio de criança
Sussurrando - para onde vais?

--HP


"O espaço onde pertenço está definido algures
Numa palavra que eu ainda não sonhei"

 
Autor
HelderPinheiro
 
Texto
Data
Leituras
964
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 31/05/2011 13:13  Atualizado: 31/05/2011 13:13
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29490
 Re: o Emigrante
QUE MARAVILHA DEIXO MEU ABRAÇO