https://www.poetris.com/
 
Textos : 

Cores Sonoras

 
Quando então te moves
Observas o relevo
Mudando gradualmente
Ao longo da estrada
Desfile de formas
Matéria vibrante
Encruzilhada
Num ponto distante
Supostamente
A sugestão de uma escolha
Encontro de trajectos diversos
Integrando outra historia
De tempos passados e futuros
Ventos ou oceanos
Indicando rumos
Cores sonoras
Dimensão consistente
Movimento ascendente
Decorrer das horas
Efectivamente
Fuga improvisada
Pelos atalhos da mente
A que o instinto sucede
Sem escala


A caminho da transcendencia...

 
Autor
P.S.
Autor
 
Texto
Data
Leituras
856
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
8 pontos
4
2
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 24/10/2011 10:34  Atualizado: 24/10/2011 10:34
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29303
 Re: Cores Sonoras
BELISSÍMO POEMA, MARA VILHOSO

MARTISNS

Enviado por Tópico
EuniceContente
Publicado: 24/10/2011 19:43  Atualizado: 24/10/2011 19:43
Colaborador
Usuário desde: 06/07/2009
Localidade:
Mensagens: 532
 Re: Cores Sonoras
"Fuga improvisada
Pelos atalhos da mente
"

Que vieram de encontro a seu poema!
gOSTO*

Enviado por Tópico
Margô_T
Publicado: 08/07/2016 09:37  Atualizado: 08/07/2016 09:38
Da casa!
Usuário desde: 27/06/2016
Localidade: Lisboa
Mensagens: 277
 Re: Cores Sonoras
Muita bela a forma como conduzes o olhar do leitor.
Este começa por se mover, devagar, observando os “relevos” que vão “mudando gradualmente” à medida que se move e, a determinada altura, esses relevos (espécies de vincos) tornam-se “formas”… e, as formas, “matérias vibrantes”…
Prosseguindo o seu caminho, o leitor haverá de chegar a uma “encruzilhada”, algures “num ponto distante” onde pode fazer uma escolha entre “trajectos diversos”. Cada trajecto levá-lo-á a uma “história” diferente, não só no presente como nos “tempos passados e futuros”…
São “ventos ou oceanos” os que nos indicarão que rumo tomar? Não importa... desde que prossigamos pelas “cores sonoras” (brilhante conjugação de palavras!), fazendo com que não nos estagnemos e continuemos nesta “fuga improvisada” “pelos atalhos da mente” porque é por aí que o poema nos leva… para dentro de nós mesmos, das nossas imagens, ao sabor do verso que nos toma – para depois nos soltar…
Fantástico.

Enviado por Tópico
Volena
Publicado: 08/07/2016 12:36  Atualizado: 08/07/2016 12:36
Colaborador
Usuário desde: 10/10/2012
Localidade:
Mensagens: 12514
 Re: Cores Sonoras P/P.S.
Encontro precioso entre o arco-íris das mentes que escurecem coisas passadas e não vêem a luz, a alegria de viver outras histórias que se renovam todos os dias, fugir para quê? Favoritei, braço Vólena