Poemas : 

A nostalgia do que decidiu não acontecer

 
De novo a luz.
Não sei porque ainda existe. Não sei porque me ilumina e abençoa
Se não cá estás para perguntar: sentes o seu calor? Vês o seu brilho?

Vejo. Sinto.
Vejo a chuva: a chuva que escorrega sonhos abaixo,
Que banha o que dói e purifica a alma.

Sinto o calor da voz. E das castanhas.
E de risos e sorrisos fundidos com bem-querer em despreocupada ignorância.
Sinto frio nos pés e lembro-me de ti.

A ternura também se fatiga e o sono é teimoso quando quer.
Azuis brotam-me dos olhos e procuram no rosto a navegação mais segura.
Refugio-me no silêncio das palavras mais altas.
Mas tenho vertigens. Às vezes caio.

Com a chave do meu corpo abro a porta do universo mais imenso.
Entro nele.
Consinto a doçura e tenho dó da matéria dos sonhos. E das estrelas.
Faço por invocar o afago, a claridade e a sinfonia do íntimo.

Trespassa-me agora os olhos. A luz.
Faz amor com a minha pele. A chuva.
Estava tão perto de voar que me esqueci que o verão acabou:
Uma súbita alegria, aguda e parva, desce e coroa a terra de água.
Mal sabe Deus que me arde o coração.


Rui Gomes

 
Autor
RGz
Autor
 
Texto
Data
Leituras
1011
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
varenka
Publicado: 22/11/2011 18:05  Atualizado: 22/11/2011 18:05
Colaborador
Usuário desde: 10/12/2009
Localidade:
Mensagens: 4210
 Re: A nostalgia do que decidiu não acontecer
Belo demais!Aplaudo!Mil beijos.Varenka