Textos : 

Deslizar

 
Deslizar


Ruído catártico – opaco – de fundo;
Adivinhava-se atordoadamente suave; purgador, só: o Cosmos.

– Não há espaço para lágrimas –

Apalpei o metafísico e imortalizei a impressão. Violei a ordem. Desnudei a gravidade. Impus lei à lei – esfreguei-a na sua face como resistência ao extremo. E fui seguindo, estendido, patinando por devaneios eternos, numa quietude obsequiosa e divinal.

Num contentamento imperecível, acabei por fechar os olhos. Conseguia ver. Via: o mais basilar do agregado de matéria: as primeiras páginas do livro das Aventuras dos Sentidos; a brincadeira das percepções; a receita do enigmático que contenta, do indefinido que aquece. E vai aquecendo.

Num momento: sou a energia da veemência do contacto; sou as perpétuas pisadas dos transeuntes da Lua, o júbilo insuportável do primeiro flutuante no vazio celestial; sou todos e cada sorriso, arrancados a ferros àqueles que o tempo mais apedrejou. Sou o aprazimento infinito.

...


Distraído, sem dar por mim, colido com um Sonho. Violentamente. Quem diria que deslizava com tal veemência que o desagregaria? (Quem diria, mais até, que se podia deslizar com veemência?). Desagreguei-o. Oh sim!

Num eclipsar do ímpeto vão-se sublimando cristais de nostalgia – essas réstias da matéria dos sonhos –, trespassados pelo vigor de um embate episódico, multiplicando-se eternamente, interceptando rotas de viajantes desnorteados, porque o norte não é senão um limite; e os limites nunca se interceptam com a matéria dos sonhos.

...


Recomposto, tentei atribuir aos meus movimentos alguma relevância; mas como se de um perdido submerso no seu oceano de razões e justificações me tratasse – tentando, desesperadamente, sem efeito, bater os braços –, cada movimento transparecia a minha insuficiência, a minha impotência, o meu nada, enquanto deslizava segundo um rumo que não controlava: o meu norte tinha sido negado pelo contacto fantástico com o Sonho. Estava, indivisivelmente, entregue aos desígnios do acaso.

O intuito entregava-se, por fim, ajoelhado, a si; remetido ao que era. E não era muito. Era bem mais.

Era-o porque a alma era por fim o que a alma quer dizer. Era-o porque a alma tinha feito um tratado de paz com a sua infinitude.
Sentia-me assustadoramente leve. Leve, apesar do aterrorizador do imenso. Leve, apesar da inconstância do desconhecido.

Deslizei




Embriagado pela beleza da luz sedutora e afiada das estrelas, permaneci. Sem que me apercebesse inicialmente, uma dor aguda assaltou-me o espírito. Cada vez mais. A formosura estelar intermitia-se com perfurações nada misericordiosas do desconhecido, acompanhada por repetidas dilatações e compressões das minhas pupilas. Turbilhava-me o sangue que se ebulia gradualmente; latejava-me o íntimo.

Do meu tórax ia florescendo a mais insustentável luz, a mais incomensurável manifestação aprazível, escoltada por uma metamorfose violenta e insuportável. Os agudos vincavam-se e a atroadora ostentação pungente de energia, que rompia já as minhas vísceras, intensificava-se.

Num concentrado inenarrável de sentimento, numa veemência abstracta carnal, explodiu magnificentemente, espalhando-se em espectros intermináveis, um enredo infinitamente progressivo de preenchimento dos espaços destinados à emoção: um raiar de humanescas sensações, sentidos, do subtil inatingível, e um pouco mais que tudo isso.

...



Da penumbra observam-se os últimos pontos da luz. Daquela luz: da minha luz. Foi-se tornando progressivamente menos nítida, rendida ao crepúsculo que se afigurava agora possessivo, cada vez mais.

Estava já escuro quando deixei de deslizar.



Rui Gomes

 
Autor
RGz
Autor
 
Texto
Data
Leituras
931
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Transversal
Publicado: 29/06/2011 03:57  Atualizado: 29/06/2011 03:57
Membro de honra
Usuário desde: 02/01/2011
Localidade: Lisboa (a bombordo do Rio Tejo)
Mensagens: 3755
 Re: Deslizar
"estava já escuro quando deixei de deslizar"..."suave...só:o Cosmos"..."lei à lei"..."remetido ao que era"..."deslizei"..." colido com um Sonho"..."a alma era por fim o que a alma quer dizer"..." latejava-me o íntimo"..."da minha luz"

Excelente

Abraço te