https://www.poetris.com/
 
Prosas Poéticas : 

O fim da noite!

 
Coloco a mascara, escondo o rosto, recolho as asas, encubro o dorso. Deixo as palavras morrerem no peito, o jardim deixa de florescer à falta de raios de sol, de chuva que o avive. Esta Noite não faz mais sentido, não tem qualquer cabimento quando as letras se repetem em frases ocas, em textos perdidos em desvarios da mente que à falta de ter aquilo que não encontra se limita a brincar com os sentidos, com a alma, como se fosse bola em mãos de criança.

Recolho-me, enrolo o corpo sobre si próprio, como se fosse um envelope que se fechasse por dentro, selo a alma, apago a luz e as letras deixam agora de brilhar, palavras mortas, metáforas gastas num prenúncio de fim. Não estás, não estou, aqui, já, para te abraçar, para me abraçar. Por mais braços que invente, não encontro nas palavras os sentires que me permitam tocar, tocar-te, não estás aí!

O sol ardente, queima a pele, curte-a, abrasa-a, secando cada pétala, cada folha, num único e último suspiro, num pequeno sopro, que, anuncia o final da vida, o fim da Noite, o início do dia!

 
Autor
Noite
Autor
 
Texto
Data
Leituras
848
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
11 pontos
3
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Tânia Mara Camargo
Publicado: 30/10/2007 18:06  Atualizado: 30/10/2007 18:06
Colaborador
Usuário desde: 11/09/2007
Localidade:
Mensagens: 4263
 Re: O fim da noite!
Muito linda tua prosa, aliás é uma arte
fazê-las com tanta suavidade, adorei!

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 30/10/2007 18:57  Atualizado: 30/10/2007 18:57
 Re: O fim da noite!
Também adorei,...

Em especial a forma como se enfatiza o poder da noite,...


Enviado por Tópico
t u r t l e m o o n
Publicado: 03/02/2008 12:33  Atualizado: 03/02/2008 12:33
Super Participativo
Usuário desde: 16/11/2007
Localidade:
Mensagens: 167
 Re: O fim da noite!
O sol ardente, queima a pele, curte-a, abrasa-a, secando cada pétala, cada folha, num único e último suspiro, num pequeno sopro, que, anuncia o final da vida, o fim da Noite, o início do dia!


lindo, triste e profundo..adorei!!!bj