https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

SOBRE A ARTE DE VIVER

 
SOBRE A ARTE DE VIVER
 

Que inveja do jardineiro!
Quão terna é a vida que tem!
Dia a dia, o ano inteiro,
nunca uma queixa de alguém.

Velhinho, já sem saúde,
sempre com solicitude,
dos seus canteiros de flores
ao nosso encontro ele vem.

Tem lá consigo suas dores
quem é que, enfim, não as tem?
Todavia, por mais graves,
guarda-as sob sete chaves,
não as revela a ninguém.

Ele sabe: a vida é breve
e é só o amor que a sustém.
Não se escraviza ao dinheiro
e dos vícios se abstém.

Assim, no seu passo leve,
me vai mostrar um canteiro.
Inveja-me o jardineiro.
Quão terna é a vida que tem!


Sergio de Sersank
Visitem meu blog literário "Estado de Espírito"
http://sersank.blogspot.com

(Da coletânea "Estado de Espírito" de Sergio de Sersank)
 
Autor
Sergio de Sersank
 
Texto
Data
Leituras
871
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
10 pontos
2
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 06/05/2012 23:20  Atualizado: 06/05/2012 23:27
 Re: SOBRE A ARTE DE VIVER
Poeta Sergio, meu estimado amigo minhas saudações.

Olha que estou enternecida com a imagem do jardineiro a qual a cada singela
palavra fostes pincelando até formar na imaginação a tela desse jardim, cujos canteiros
bem tratados no amor e zelo, retribui com a beleza atemporal de cada flor que ali brota.

Quem dera que no mundo houvesse mais jardineiros, mas seres humanos que entregam-se
a fazer o bem, a cultivar a paz, a harmonia e distribuir beleza, seria mavioso, como que
há viver na ponte d'um belo sonho.

Chamou-me em especial atenção a força de carácter do bom velhinho que mesmo alquebrado,
guarda valentemente as aflições, escolhendo trazer no rosto um sorriso e nos lábios uma palavra amiga.


"(...) Ele sabe: a vida é breve
e é só o amor que a sustém.
Não se escraviza ao dinheiro
e dos vícios se abstém.(...)"


Fez-me lembrar da minha voikamina e trouxe-me grande saudade dessa velhinha que todos chamavam de avó, pois sempre tinha a porta aberta, um cafezinho a espera, e no quintal seus preciosos canteiros onde fazia chás e remédios caseiros para quem deles necessitassem.



Foi um prazer mais uma vez ler, meditar em tua obra poética, grata pela partilha, desde já faço-te votos de que tenhas uma semana feliz na luz e na paz, deixo-te a canção "Solitude" do pianista a qual muito aprecio o Ernesto Cortazar.

http://youtu.be/Bya_NozAaUM



Meu fraterno abraço e até breve

Enviado por Tópico
Sergio de Sersank
Publicado: 07/05/2012 03:53  Atualizado: 07/05/2012 03:53
Super Participativo
Usuário desde: 13/01/2010
Localidade: Londrina-PR BRasil
Mensagens: 159
 Re: SOBRE A ARTE DE VIVER p/ SOFIA RODRIGUES
Querida Poeta, Sofia Rodrigues,

Fico mais uma vez lisonjeado e feliz em ler teu comentário. Desta vez ao poema SOBRE A ARTE DE VIVER, o qual, apesar de bastante singelo, sob o teu olhar e sensibilidade incomuns, ganha dimensão e profundidade. Agradeço imensamente e de todo o coração o precioso tempo que a ele (e a mim, teu mais novo e sincero amigo) tens dedicado.
Retribuo o abraço e os bons votos para esta nova semana que culmina com a chegada do DIA DAS MÃES, data em que todos reverenciamos a criatura que mais amamos, aquela que nos trouxe à vida e nos ensinou, desde os primeiros passos, a trilhar os caminhos da paz, da verdade e do bem.
Um beijo no seu coração com os agradecimentos do
Sergio de Sersank
Londrina-(PR)
06 mai 2012 – 23:45h


"Pretendo que a poesia tenha a virtude de, em meio ao sofrimento e o desamparo, acender uma luz qualquer, uma luz que não nos é dada, que não desce dos céus, mas que nasce das mãos e do espírito dos homens."
(Ferreira Gullar in "Todo Poesia" com "Muitas Vozes")