https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Reflexão : 

Lágrimas de Luz

 
Tags:  amor    alegria    luz    sentimento    verdade    pureza  
 
As lágrimas são puras
Elas brotam da verdade
Como as estrelas na noite escura

As lágrimas são quentes
Elas derretem a frieza
Dos corações indiferentes

As lágrimas são salgadas
Porque somos o sal da terra
Em nossa divina jornada

As lágrimas nutrem nossos sentimentos
Como o orvalho singelo
Que torna o solo acolhedor e sereno

As lágrimas destroem as máscaras
Que a vaidade nos impõe
Nesse mundo de ilusões e farsas

As lágrimas são humildes e serenas
Reconhecem que são gotas
Não importa se são pequenas

As lágrimas são generosas
Sabem compartilhar alegrias e tristezas
Com os olhos à nossa volta

As lágrimas são iguais
Não importam as diferenças
No momento em que elas caem

Elas brincam em meu rosto
Na felicidade ou na tristeza
Libertam-me dos desgostos
Libertam-me das incertezas

São o sangue do Cordeiro
A escorrer pela Cruz
Bem-aventurados os que choram
As lágrimas vêm de Jesus.

 
Autor
MCSCP
Autor
 
Texto
Data
Leituras
862
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
4
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
HelenDeRose
Publicado: 12/09/2012 20:59  Atualizado: 12/09/2012 20:59
Usuário desde: 06/08/2009
Localidade: Sorocaba - SP - Brasil
Mensagens: 2092
 Re: Lágrimas de Luz
Vem do sistema límbico de Jesus e são liberadas pelas glândulas lacrimais.
Gostei do simbolismo do poema.
Agradeço por compartilhar.

Helen.


Enviado por Tópico
FalcãoSR
Publicado: 13/09/2012 06:46  Atualizado: 13/09/2012 06:52
Colaborador
Usuário desde: 30/06/2006
Localidade: Rio de Janeiro
Mensagens: 2785
 Re: Lágrimas de Luz
Sua tão linda poesia, lembrou-me dessa singela poesia que tenho publicada nesse site.




Lágrima e Coração


A lágrima perguntou ao coração:
por que me fazes verter
se na vida minha função,
são os olhos umedecer?

O coração respondeu-lhe sem vacilar:
Sou movido por emoções plurais
e depois que eu te contar,
tu irás verter muito mais.

A lágrima, inconformada persistiu
e ofendendo o pobre coração,
uma frase insensata proferiu:
Não quero devaneios, diga-me a razão!

O coração entristecido ficou,
porque sua intenção era poupar
a lágrima de saber da dor,
que só ele pode guardar.

Percebendo tanta vaidade
e sua tola pretensão,
resolveu contar-lhe a verdade
como forma de lição...

Sou depositário do sofrimento
o qual só tu podes externar,
mesmo sangrando em lamento
trabalho até a vida cessar.

Deixando o amparo do ventre materno
disparo ao ver a luz desconhecida,
só acalmando quando um beijo terno
recebo da mulher que me deu a vida.

Crescendo no peito de uma criança
as emoções vão se multiplicando,
olhando o fruto que a mão não alcança
vejo céu e com paraíso vou sonhando.

O tempo passa e logo sou adolescente
desafiando os perigos sem pensar,
que sou tão frágil como uma semente
esperando a chuva para germinar.

Então conheço meu primeiro amor,
o qual a timidez não me permite revelar,
mergulho num mar de sofrimento e dor
quando com outro a vejo caminhar.

Agora sou adulto e deslumbrado
com a natureza e sua perfeição,
renovando os sonhos do passado
como hóstia consagrada divido o coração.

E de emoções vou vivendo
com o peito a me apertar,
na solidão vou sofrendo
sem nada poder falar.

Enquanto você tão radiante
Às vezes surge para seduzir
Deixando o olhar brilhante
Para ninguém te resistir.

Fico então observando
sem nada poder fazer,
em silêncio lamentando
teu jeito fútil de ser.

Quando és sincera , lamento
por não ter podido evitar,
a dor por um acontecimento
que faz o mundo chorar.

Quando os olhos adormecem
para o corpo descansar,
de mim o repouso esquece
e não paro de trabalhar.

Agora que sabes o tormento
e de minha existência a razão,
verte o pranto do arrependimento
por tua insensata ingratidão.