https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Solidão : 

Sinos da Noite...Poetisa Aradia Fortunato.

 


SINOS DA NOITE

Os sinos do amor já tocaram, nessa vastidão de Isis,
As colheitas de trigo já começaram,
Vai nevar ouro branco em nossos olhos,
Os sinos de prata já tocaram a dança dos ventos,
E acordaram Aine Rainha das Fadas.
Rubro lábios carmim, bebem sangue por mim.
O sangue das papoilas quentes,
E dançam todas em circulo em volta dos girassóis,
A Oeste já chegou Primavera, porque choras nuvem da encosta?
Talhados pela mãos dos sinos do amor,
Continuam a tocar, não o amor, mas lembrança de quem já amou,
Se apaixonou e já casou.
Só eles tocam pela noite de prata enevoada,
Onde o grilo não mais canta, o mocho pia,
O homem soluça e a Lua já se desnuda.

 
Autor
Miladyaradia.
 
Texto
Data
Leituras
739
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
5 pontos
5
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Karla Bardanza
Publicado: 22/11/2012 01:22  Atualizado: 22/11/2012 01:22
Colaborador
Usuário desde: 24/06/2007
Localidade:
Mensagens: 3491
 Re: Sinos da Noite...Poetisa Aradia Fortunato.
Salve irmã. Que os Deuses te abençoem para que você possa sempre falar deles.

Karla B


Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 22/11/2012 09:49  Atualizado: 22/11/2012 09:49
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29490
 Re: Sinos da Noite...Poetisa Aradia Fortunato.
Na antiga mitologia egípcia, Ísis era a deusa do amor e da magia, considerada também a mãe de todo Egito. Era filha de Geb (deus da Terra) e mulher do irmão Osíris (deus da vida no além e da vegetação). Teve um filho com Osíris, Hórus (deus do Céu).

De acordo com a mitologia, Ísis tinha o poder de provocar a cheia do rio Nilo, muito importante para a agricultura nas margens do rio. Existiam três templos no Antigo Egito, construídos em homenagem a esta deusa.

Que Isis lhe proteja e continua dando lhe essa maravilhsas inspirações..Uma maravilha de poema