https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Surrealistas : 

O espantalho...Poetisa Aradia Fortunato.

 
Desprendido ao vento,o espantalho adormece
Cortejador das flore rastejantes
amor,amor,amor,chamo por ti
E só vejo um espantalho de dor.
Navega ao vento,cantor das andorinhas,
serpente alada,veneno astral,
Presença da terra ferida brutal.
E grito em teus braços de palha a minha sina maldita e fatal.
Repousa ventre invejoso da sua natureza astral,
Comedido e atrevido como um passarinho primaveril.
Grita em nua carne sua dor de fel
Não grites pobre espantalho tua posição
pregaram-te os teus braços em ferro no chão
Encheram tua cabeça de serradura e algodão
Esta é apenas a sua confissão
sou um abandonado espantalho,todo queimado,
pelo sol desvairado.
E não podes conter teus mil desgostos,
De palha estrada e olhos bolorentos,
mas sangras vinho e sangue nesta desdita
Agora partes espantalho sacrificado
Suplica dos ventos errantes,
roda triste,ensanguentado,abandonado,
e maltratado,crucificado,bobo da reinação.
Eras um duende palha,da ceara de trigo benfazeja
serrana,e rodas triste na tua altivez,
Tuas lágrimas de fel,as minhas estão no papel.
Encantas os pássaros,viajantes namoradeiros,
quantos casais fazendo a corte em teu fato rasgado de salsaparrilha velha.
E latão estragado,
salpicas as andorinhas com teus soluços fatais,
estás pregado no chão,já não danças mais.
Mas a tua alma pode voar.
E gritas espantalho estou só,
não tenho ninguém com quem falar,
Só me resta fechar os olhos para rodar ao vento meu irmão.
Posso não andar,mas afinal de tudo posso sonhar


Aradia Fortunato.

 
Autor
Fortunataaradia
 
Texto
Data
Leituras
848
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
4
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
amandu
Publicado: 10/12/2012 15:18  Atualizado: 10/12/2012 15:18
Colaborador
Usuário desde: 24/03/2008
Localidade: LISBOA
Mensagens: 3651
 Re: O espantalho...Poetisa Aradia Fortunato.
IMAGINO E COMO VERBO SURREALISTA DE SEU POEMA A ESCRITA PREENCHENDO UM SER CAÇADOR OU OUTRO COM UM CHAPÉU DE BATIDA AFRICANA E SUA SILHUETA EM ESPANTALHO NUM PRADO COM SUA ESCRITA EM CONTORNOS CERTOS QUE ASSIM O FAZEM. É BOM DIZER DE SONHAR MAS MAL DE VER E SER. O SURREALISMO É ISSO DE AMAR E NÃO SE VER.
TEM TUDO NO SEU VERSO E ESCRITO DE VER E DE PERDER A SER DE TUDO E NÃO DEUS EM PRESENÇA DESTE MUNDO. UM VERSO BELO O SEU E NADA DE VER DE DIFERENTE DE SUA VITÓRIA E DE AMOR EM TUDO.
ABRAÇO E BEM DE SE VER O MUNDO JÁ.
AMANDU


Enviado por Tópico
Veit2
Publicado: 10/12/2012 17:20  Atualizado: 10/12/2012 17:20
Da casa!
Usuário desde: 05/12/2012
Localidade:
Mensagens: 254
 Re: O espantalho...Poetisa Aradia Fortunato.
Que inspiração maravilhosa, querida.
Um sonho de se ler. Bjs