https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Centúrias (II) de Nostradamus

 
Tags:  profecias  
 



1

Para a Aquitânia por ilhéus britânicos,
Fazem grandes incursões:
Chuvas e geadas tornam o terreno inseguro e acidentado,
Porto selênico fortes fará invasão

2

O cabeça azul inflige sobre o cabeça branca
Tanto mal quanto a França os fez bom:
Morto ao velejar muito o grande enforcado no galho.
Quando preso pelos seus o Rei dirá quanto.

3

Pelo calor solar sobre o mar,
de Negroponto os peixes quase cozidos,
Os habitantes os virão destruir,
Quando Rodes e Gênova precisarem de provisões.

4

Desde Mônaco até junto da Sicília,
Toda a praia ficará desolada,
Não haverá bairros, cidade nem vila
Que não seja roubada e pilhada por bárbaros.

5

Armas e documentos dentro do peixe
Dele sairá o homem que fará a guerra
Terá no mar sua frota bem armada
Até aparecer no litoral latino.

6

Perto dos portos das duas cidades.
Ocorrerão dois tormentos como nunca se viu antes.
Fome, peste, pessoas expulsas pela espada.
Pedem socorro ao grande Deus imortal.

7

Entre alguns transportados para as ilhas,
Um nascerá com dois dentes em sua boca
Eles morrerão de escassez as árvores despojadas,
Para eles um Rei novo emite um édito novo.

8

Templos consagrados da maneira romana antiga,
Eles rejeitarão o excesso das fundações,
Levando seu primeiro e as leis humanas,
Perseguindo, entretanto não completamente, o culto de santos.

9

Nove anos o magro segurará o reino em paz,
Então ele entrará em uma sede muito sangrenta:
Por causa dele umas grandes pessoas morrerão sem fé e lei
Mortos por um de boa natureza.

10

Assim que tudo estiver organizado
Aguardamos um século bem sinistro:
A multidão de disfarçados e solitários (clero) bem mudada
Poucos serão os que desejarão ficar em seus lugares.

11

O mais próximo filho do ancião atingirá
Muito grande altura até onde o reino do privilegiado:
Todo o mundo temerá a glória feroz dele,
Mas as crianças dele serão jogadas fora do reino.

12

Olhos fechados, abertos pela fantasia antiga,
O traje dos monges eles serão postos a nada:
O grande monarca castigará o frenesi deles,
Extasiando o tesouro na frente dos templos.

13

O corpo sem alma já não é sacrificado.
O dia da morte se transforma em dia do renascimento.
O espírito divino faz a alma feliz quando se vê a Palavra em sua eternidade.

14

A Excursões, Gien, defendido, olhos estarão procurando,
Descobrindo de longe sua serena Alteza:
Ela e seu conjunto entrarão no porto,
Combate, facada, poder soberano.

15

Pouco antes de o sagrado monarca morto
Castor e Pólux, gêmeos no comando quando o cometa aparecer no céu
O dinheiro público será roubado na terra e no mar
Pisa, Asti, Ferrara e Turim serão lugares proibidos

16

Nápoles, Palermo, Sicília, Syracuse,
Novos tiranos, fogos de raio celestiais,:
Forças de Londres, Ghent, Bruxelas e Susa,
Grande morte, triunfo conduz a festividades.

17

O campo do templo da virgem de vestal,
Não longe de Elne e as montanhas de Pyrenees:
O grande tubo é escondido no tronco.
Ao norte rios alagados e vinhas destruídas.

18

Chuva nova, impetuosa e súbita
Deterá dois exércitos de repente.
Pedra celestial, fogos fazem o mar pedregoso,
A morte súbita de sete por terra e mar.

19

Eles voltaram. Os locais fortificados estão sem defensores.
Eles se apossam da localidade até então inabitável.
Tomam o campo, a casa, a seara e a cidade que mais lhes agrade.
Fome, peste, guerras, dolorosa penúria.

20

Irmãos e irmãs cativos em lugares diversos
Achará eles passando perto do monarca:
Contemplando eles seus ramos atentos,
Desagradando para ver as marcas em queixo, frente e nariz.

21

O embaixador enviado por biremes,
A meio caminho repelido pelo desconhecido:
Reforçado com sal quatro triremes virão,
Em Euboea confinado com cordas e correntes.

22

O exército imprudente de Europa partirá,
Cobrado perto da ilha submergida:
A fraca armada dobrará o phalanx,
Ao umbigo do mundo uma grande voz substitui.

23

Palácio dos pássaros, perseguidos por um pássaro de fora,
Muito breve após o príncipe chegar:
Embora o inimigo seja repelido além do rio,
De fora aproveitou o truque apoiado pelo pássaro.

24

Bestas ferozes de fome nadam pelos rios:
A maior parte do campo estará contra o Hister,
O grande será arrastado em uma gaiola férrea,
Quando a criança alemã observará o Reno.

25

O guarda estrangeiro trairá a fortaleza,
Esperança e sombra de um grande matrimônio
Guarda enganou, forte apanhado na imprensa,
Loire, Saone, Rhone, Gar, afronta mortal.

26

Pelo favor que a cidade fará,
Ao grande que cedo perderá campo de batalha,
Fuga sobre o Pó Tessin derramará
Sangue, fogos, mortos afogados e esfaqueados.

27

A palavra divina será golpeada do céu,
Um que não pode proceder qualquer adicional:
O segredo fechado com a revelação,
Tal que eles marcharão à frente.

28

A penúltima sílaba do sobrenome do Profeta
Levará Diana para seu descanso:
Ele vagará longe por causa de uma cabeça frenética,
E entregando grandes pessoas à sujeição.

29

O Oriental sairá de sua sede,
Passar os montes Apeninos ver a Gália:
Transpassará o Céu, as águas e neve,
E ainda ele golpeará com sua vara.

30

Alguém que o deus infernal de Aníbal
fará que nasça terror para todos os homens:
Nunca os jornais falarão de tanto horror,
Que virá para os italianos pela Babilônia.

32

Leite, sangue rãs cozer na Dalmácia,
Conflito dado, peste perto de Balennes,
Grito será grande por toda a Esclavônia,
Então nascerá monstro perto de Ravena.

33

Pela torrente que desce Verona
Por então que ao pó guiará sua entrada
Um grande naufrágio, e não menos no Garona
Quando os de Gênova pisarão o chão natal

34

A ira insensata do combate furioso
Causará feridas por aço cintilante à mesa por irmãos:
Para repartir então morte, ferida, e curiosamente,
O duelo orgulhoso virá danificar a França.

35

O fogo a noite atingirá os dois alojamentos,
Vários dentro sufocados e queimados.
Acontecerá perto de dois rios como um:
Sol, Sagitário e Capricórnio tudo estará reduzido.

36

As obras do grande profeta são confiscadas.
Vão parar nas mãos do tirano.
Porém, seus empreendimentos se baseiam em ilusões.
Suas incursões de rapina privam-no bem depressa da razão.

37

Do grande número que um enviará
Para aliviar os sitiados no forte,
Pestilência e escassez devorarão tudo,
Exceto setenta que serão destruídos.

38

Um grande número será condenado
Quando os monarcas se reconciliarem:
Mas para um deles um impedimento ruim surgirá
Que eles estarão juntos porém sozinhos.

39

Um ano antes do conflito italiano,
Alemão, Gauls, espanhóis para o forte,:
O republicana da escola pública cairá,
Lá, com exceção de alguns, eles serão estrangulados morto.

40

Pouco depois, um intervalo não muito longo
Grande tempestade ensurdecedora se erguerá por terra e mar,
Batalhas navais como nunca:
Tiros, criaturas atiram causando mais tumulto.

41

A grande estrela arderá durante sete dias.
Uma nuvem fará com que se vejam dois sóis
O grande mastim uivará durante toda a noite,
Quando o grande Pontífice mudar de residência.

42

Galos, cães e gatos serão saciados com sangue
E da ferida do tirano que acharão morto,
À cama de outro pernas e braços quebrados,
Ele que não teve medo de morrer uma morte cruel.

43

Enquanto a estrela se aproxima,
as três potências mundiais se inimizam.
Paz da terra receberá um duro golpe
Da França até o Tibre uma serpente dominará.

44

A Águia se dirige por trás em volta das barracas
Será perseguido de lá por outros pássaros:
Quando o ruído de címbalos, trompetes e sinos
Restabelecerá os sentidos da dama insensata.

45

Os céus lamentam muito pelo Hermafrodita procriado,
Próximo os céus verterão sangue humano:
Por causa de morte muito tarde um grande povo recriado,
Tardiamente e cedo o alívio esperado vem.

46

Após grande grupo humano, um maior se prepara
O grande motor renova os séculos.
Chuva, sangue, leite, fome, ferro e peste.
No céu vê-se correr longas centelhas de fogo.

47

O grande velho inimigo lamenta morte por veneno,
Os soberanos dominaram um número infinito:
Pedras chovendo, escondido debaixo da lã,
Constantemente artigos de morte são citados em vão.

48

A grande força que passará as montanhas.
Saturno em Sagitário Marte viram para o peixe:
Veneno escondido debaixo das cabeças de salmão,
O general pendurado com corda.

49

Os conselheiros do primeiro monopólio,
O dominadores seduzidos por Malta:
Rhodes, Byzantium para eles exporem o polonês:
Terra fracassará os perseguidores em vôo.

50

Quando esses de Hainaut, de Ghent e de Bruxelas
Verem o assédio se deitar antes de Langres:
Atrás de seus flancos haverá guerras cruéis,
A ferida antiga fará pior que os inimigos.

51

O sangue do justo será exigido de Londres,
queimado pelo fogo no ano 66.
A senhora anciã cairá do alto.
E muitos da mesma seita serão mortos.

52

Durante várias noites, a Terra sacudirá.
Durante a primavera, dois esforços sucessivos;
Corinto e Éfeso nadarão em dois mares
Guerra movida por dois valentes de luta.

53

A grande peste não se retirará da cidade marítima até que a morte seja vingada:
O sangue do justo foi condenado pelos malfeitores, sem que
ele estivesse incorrido em culpa.
Não foi enganado nem ofendido pela grande Dama.

54

Por culpa de gente estranha e dos próprios romanos
sua grande cidade sofre descalabro depois da água.
Uma moça sem mão segura o chefe.
As grades não conseguiram detê-la.

55

No conflito, o grande pouco considerado
consegue por fim realizar o milagre.
Enquanto Hadrie percebe a extensão do que foi perdido,
o megalomaníaco se mata com um tiro no banquete.

56

Aquele que nem as pragas nem as armas poderiam matar
Morrerá no alto da colina (Roma), atingido do céu
O abade morrerá quando vir perdidos
Aqueles, do papado saqueado, se apoderando da pedra da Igreja.

57

Antes do conflito, a grande muralha cairá.
O Grande morre - uma morte por demais repentina e lamentável.
A frota está incompleta. A maioria dos navios está em viagem.
O sangue derramado embeberá a terra.

58

Com nenhuma comida nem ajuda por causa dos dentes afiados e fortes
Pela multidão para o forte do porco e o ancião nascido:
próximo ao portal o traiçoeiro lucro,
Lua brilhando, o grande lidera a distância.

59

Frota gaulesa por apoio do grande guarda
Do grande Netuno, e seus soldados de tridente,
Provence avermelhou para sustentar uma grande faixa:
Mais a Narbonne, por causa de javelins e dardos.

60

A fé púnica em oriente rompida,
Grande Iud, e Ródano Loire, e Tej. mudarão
Quando do mulo a fome for saciada,
Frota espargida, sangue e corpos nadarão.

61

Bravo, ao de ' Tamins', Gironde e La Rochelle:
O sangue de Trojan! Marte no porto da flecha
Atrás do rio a escada colocada no forte,
Pontos para incendiar grande assassinato na fenda.

62

Mabbus morrerá cedo, então acontecerá
Um horrível massacre de pessoas e animais
Logo, a vingança virá de uma centena de lugares
Sede e fome, à passagem do cometa.

63

O Gauls Ausonia dominará o menor,
Po, Marne e Seine Parma ficarão bêbados:
Ele preparará a grande muralha contra eles,
Ele perderá sua vida finalmente pela muralha.

64

secar de fome, de sede, gente genebrina,
Esperança próxima virá ao desfalecer,
No momento crucial será lei gebanita,
frota ao grande porto não se pode acolher.

65

O grande parque inclinado grande calamidade
Pela Hespéria e Insúbre fará
O fogo em nave peste e cativeiro
Mercúrio em Sagitário, Saturno advertindo.

66

Por grandes perigos escapou o cativo:
Em pouco tempo sua grande fortuna mudou.
No palácio são apanhadas as pessoas,
Por presságio bom a cidade sitiada.

67

O loiro assumirá o compromisso com a forquilha
Através de disputa será banido:
Com ele os exílios serão restabelecido,
Confiando ao mais forte os lugares marinhos.

68

Os esforços do Aquilão serão enormes,
Sobre o oceano a porta será aberta:
O reino da ilha será reintegrado,
Tremerá Londres à vista da armada.

69

O Rei gaulês através de seu braço direito Céltico
Vendo a discórdia da grande Monarquia:
causará o florescer de seu cetro em três partes,
Contra a contenda da grande Hierarquia.

70

O dardo do céu fará sua extensão,
Oração de mortes: grande execução.
A pedra na árvore, a nação orgulhosa restabeleceu,
Ruído, monstro humano, expiação de purgação.

71

Os exilados entrarão na Sicília
Trarão fome de forma estranha a nação:
Ao amanhecer os Celts fracassarão:
Vida permanece por uma razão: o Rei une.

72

Exército céltico em Itália ofendido,
de todas as partes conflito e grande perda,
Fujam romanos, ó Gália rechaçada,
Perto do Tessim, Rubicão pugna incerta.

73

No lago Fucino de Benac a margem,
Tomado do Léman ao porto de Orguion,
nascido de três braços prediz bélica imagem,
Por três coroas ao grande Endimião.

74

De Sens, de Autun virão eles até onde o Rhone
Passar além dos montes Pyrenees:
A nação abandonada pela marcha de Ancona:
Por terra e mar será seguido por grandes processos.

75

A voz do pássaro raro ouvida,
No tubo de respiração confundida:
tão alto alqueire de trigo subirá,
que o homem comerá o seu companheiro.

76

Raio em Borgonha executará uma ação portentosa,
Um nunca poderia ter terminado por habilidade,
Sacristão feito manco pelos seu senado
Fará o negócio ser conhecido pelos inimigos.

77

Atingido por trás, fogo, lance e por fogos:
Gritos, uivos ouvidos à meia-noite:
Terão lugar nas muralhas quebradas,
Os traidores escapam pelas passagens subterrâneas.

78

Das profundezas do mar o grande Netuno
De gente púnica e sangue gaulês mesclado.
As ilhas em sangue pelo tardio remar,
Mais causará danos que o oculto mal guardado.

79

O Barba crespa e negra por engenho
subjugará o povo cruel e orgulhoso.
O grande Chiren tirará do longínquo,
Todos os cativos por bandeira selênica.

80

Depois do conflito pela eloqüência do ferido
Por pouco tempo um breve descanso é planejado:
Ao grande não será permitido liberdade:
Eles são restaurados pelos inimigos no momento apropriado.

81

Por fogo do céu a cidade quase adusta,
A urna ameaça ainda Ceucalião,
Ofendida Sardenha pela púnica fusta,
Depois que Libra deixar seu Faetonte.

82

Por fome a presa fará o lobo prisioneiro,
O atacante então em extrema angústia,
O herdeiro tem o último antes dele,
O grande não escapa no meio da multidão.

83

O grande comércio da grande Lyons mudou,
Grande parte voltada para ruína prístina
rezem pelos soldados varridos por pilhagem:
Pela montanha de Jura e garoa da Suevia.

84

Entre Campânia, Siena, flora, tuscia,
Seis meses nove dias não choverá uma gota,
A estranha língua em terra Dálmata,
Percorrendo-a, devastando a terra toda.

85

O velho de barba cheia sob estatuto severo
Feito em Lyon sobre a Águia Céltica:
O pequeno grande persevera muito:
Ruído de armas no céu: Mar de Ligurian vermelho.

86

Naufrágio de navio perto da onda adriática,
A terra treme revolvida de cabeça para baixo,
Egito teme aumento maomético,
O Arauto escolhido pondo-se a gritar.

87

Depois virá dos países externos
Príncipe alemão, no trono dourado,:
A servidão e águas se encontram,
A senhora serve, seu tempo já não adorado.

88

A volta do grande contrato desastroso,
O sétimo nome do quinto será:
De um terço maior o desconhecido militar:
Ovelha, Paris, Aix não garantirá.

89
Um dia as grandes potências se tornarão amigas.
Seus fortes poderes serão vistos crescendo.
A nova terra (América) estará no cume desta força.
Para o homem de sangue o número é informado.

90

Ainda que vida e morte o reino da Hungria mudado:
A lei será mais severa que o atendimento:
Sua grande cidade clama com uivos e lamentos,
Castor e Pollux inimigos na arena.

91

Sol nascente um grande fogo se verá
barulho e claridade rumando para o Aquilão;
Dentro de círculo de morte se ouvirão gritos,
Por gládio, fogo, fome, morte os esperando.

92

Fogo cor de ouro no céu visto da terra:
Herdeiro golpeado no alto, maravilhosa proeza fez:
Grande assassinato humano: o sobrinho do grande levado,
O orgulhoso escapou de morte espetacular.

93

Perto do Tibre, a morte ameaçará.
Um pouco antes da grande inundação
O chefe da Igreja será preso e banido,
O castelo (Sto. Ângelo) e o palácio (Vaticano) em chamas.

94

Grande Po, grande mal será recebido por Gauls,
Vão Terror para o marítimo Lyon:
Pessoas passarão pelo mar em números infinitos,
Fora um quarto de um milhão escapa.

95

Os locais povoados se tornarão inabitáveis.
Haverá grandes disputas por causa dos campos.
Os governos ficarão entregues a pretensiosos.
Entre irmãos haverá brigas e mortes.

96

Chama ardente no céu noturno será vista,
Perto do fim e princípio do Ródano,
Fome, gládio, tarde virá o socorro
A Pérsia volta a invadir a Macedônia.

97

Romano Pontífice cuidado ao aproximar-te
Da cidade que dois rios banham:
Junto dali teu sangue virá cuspir,
A ti e aos teus quando a rosa florir.

98

Aquele cuja face é espirrada com o sangue
Da vítima quase sacrificada:
Júpiter em Leão, presságio por pressentimento:
Ser posto a morte então para a noiva.

99

Terra romana como o presságio interpretado
Será muito vexada pelas pessoas gaulesas:
Mas a nação Céltica temerá a hora,
A frota foi levada muito longe pelo vento norte.

100

Dentro das ilhas um alvoroço muito horrível,
A pessoa ouvirá só o destacamento de guerra,
Tão grande será o insulto dos saqueadores
Que eles se juntarão à grande liga.


verde

 
Autor
João Marino Delize
 
Texto
Data
Leituras
1441
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Migueljaco
Publicado: 01/02/2013 13:16  Atualizado: 01/02/2013 13:16
Colaborador
Usuário desde: 23/06/2011
Localidade: Taubaté SP
Mensagens: 9304
 Re: Centúrias (II) de Nostradamus
Bom dia João, parabéns pelo seu abrangente trabalho literário, um grande abraço, MJ.