https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Entropia

 
Ecoam sem vontade
em mim formas,
parasitas.
Formo-me delas,
sem configuração.

Finalmente
entendo-me assim, coisa:
Desordenação de partículas
que resultam num ser inobservável;
Dimensão de tempo
sentida em memórias profanas;
Disposição de ânimos
que entre si discordam;
Consciencialização da ventura
inepta de sentir;
Precessão da calamidade
que o universo influi...
Subsistir?
Não é então possível.

Tanto ser em mim
e nada sou...
Minto,
sendo a legitima entropia
que se originou.


Maria Toranja

 
Autor
C.Driade
Autor
 
Texto
Data
Leituras
1231
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
4
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
RaipoetaLonato2010
Publicado: 07/02/2013 03:42  Atualizado: 07/02/2013 03:42
Colaborador
Usuário desde: 13/03/2010
Localidade: Paulínia-SP
Mensagens: 2762
 Re: Entropia
'Tanto ser em mim
e nada sou...

Minto,
sendo a legitima entropia'

Olhares em direção ao infinito, perdem-se na distãncia do não/ser.


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 07/02/2013 10:55  Atualizado: 07/02/2013 10:55
 Re: Entropia
É nesta desordem que a unidade (singularidade) se constrói, assim como tudo neste universo sem começo e sem final, só transformações inescrutáveis, sempre sendo...

Gostei muito!

Um abraço