https://www.poetris.com/
 
Sonetos : 

Segundo Soneto

 


Olhei para o passar de um segundo
Que andava de bicicleta
e corria uma prova de meio-fundo
atrás de uma caneta preta.

Claro que o segundo perdeu a prova
foi o segundo a chegar à meta,
a terceira competição era cavar uma cova
E de novo perdeu para a caneta preta...

Coitado do segundo desclassificado
que era um segundo somente...
Chegou ao fim, cansado mas inteiro!

A frio, triste e desmoralizado
deixaria de ser segundo para chegar à frente?
Para ser menor do que é - um primeiro...


Sou fiel ao ardor,
amo esta espécie de verão
que de longe me vem morrer às mãos
e juro que ao fazer da palavra
morada do silêncio
não há outra razão.

Eugénio de Andrade

Saibam que agradeço todos os comentários.
Por regra não respondo.

 
Autor
Rogério Beça
 
Texto
Data
Leituras
600
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
1
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
atizviegas68
Publicado: 12/03/2017 03:43  Atualizado: 12/03/2017 03:43
Colaborador
Usuário desde: 09/08/2014
Localidade: Açores
Mensagens: 1429
 Re: Segundo Soneto
Num segundo, chegou à meta este soneto!
Um jogo de palavras, fantástico! Tem a arte do caleidoscópio nas palavras!

Um abraço