Poemas : 

Adúltero

 
Adulterou-se
para apagar uma fome

matar uma sede.

Cessar uma monotonia.

Adulterou-se
para provar do fogo

queimar a boca.

Arder.


Sou fiel ao ardor,
amo esta espécie de verão
que de longe me vem morrer às mãos
e juro que ao fazer da palavra
morada do silêncio
não há outra razão.

Eugénio de Andrade

Saibam que agradeço todos os comentários.
Por regra, não respondo.

 
Autor
Rogério Beça
 
Texto
Data
Leituras
181
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
27 pontos
3
4
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 22/03/2024 11:00  Atualizado: 22/03/2024 11:00
 Re: Adúltero
.

Seu poema tem algo de perturbador, em que as sombras criam vidas e a porta que estava fechada se é adulterada e os sentimentos gritam, talvez belisca.
Abraços.

Enviado por Tópico
Yan_Booss
Publicado: 22/03/2024 12:33  Atualizado: 22/03/2024 12:39
Da casa!
Usuário desde: 26/08/2011
Localidade: Brasil-BR (Itinerante)
Mensagens: 498
 Re: Adúltero
flagelo maior da humanidade; da mente ao arde nas entranhas. o poema traduz entrelinhado um gosto amago, profundo.

Yan

Enviado por Tópico
Vania Lopez
Publicado: 27/03/2024 03:24  Atualizado: 27/03/2024 03:24
Membro de honra
Usuário desde: 25/01/2009
Localidade: Pouso Alegre - MG
Mensagens: 18166
 Re: Adúltero
Agora vou pecar nessa imensidão de beleza crua. Perfeito