Poemas : 

Fado novo

 
<br />Trazes o fado no peito
Nas vestes, a noite escura
Nas cordas um tom perfeito
Cheio de raça e bravura

É o xaile o teu altar
A ele te entregas por inteiro
Por ti já viram chorar
Esse teu amor primeiro

Soluça a guitarra enternecida
Pela voz tão destemida
Em verdadeira comunhão
A viola que a acompanha
Conhece toda a artimanha
Desse teu ar gingão

Nasceste para o fado
E com ele hás-de viver
Foi por Deus abençoado
E ninguém te poderá suster

Trazes o fado no peito
E com ele a voz do povo
É sentimento de respeito
Este Fado, fado novo.

 
Autor
PaulaMartins
 
Texto
Data
Leituras
716
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
5 pontos
5
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Tália
Publicado: 29/12/2007 01:22  Atualizado: 29/12/2007 01:22
Colaborador
Usuário desde: 18/09/2006
Localidade: Lisboa
Mensagens: 2503
 Re: Fado novo
Gostava tanto de ouvir este fado...
A letra está muito boa

Beijos

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 29/12/2007 02:42  Atualizado: 29/12/2007 02:42
 Re: Fado novo
UM FADO LINDO, UM FADO NOVO, EM QUE A GUITARRISTA TAMBÉM SOUBE DESENVOLVER EM SUAS CORDAS DE POESIA, DANDO UMA SONORIZAÇÃO PERFEITA E BELA.

ADOREI.

Enviado por Tópico
Juli Lima
Publicado: 29/12/2007 07:50  Atualizado: 29/12/2007 07:50
Colaborador
Usuário desde: 02/08/2007
Localidade: Rio de Janeiro
Mensagens: 993
 Re: Fado novo p/ PaulaMartins
Bom dia! Expressiva msg. FELIZ 2008! Bj poesia

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 29/12/2007 17:24  Atualizado: 29/12/2007 17:24
 Re: Fado novo
A falar muito bem de sua terra, e o que ela tem de tão bom no qual sou um apaixonado!
Bonitas letras, parabéns querida, beijos e saudações de Godi.

Enviado por Tópico
q14
Publicado: 29/12/2007 19:31  Atualizado: 29/12/2007 19:31
Da casa!
Usuário desde: 02/10/2007
Localidade:
Mensagens: 247
 Re: Fado novo
A letra está muito boa. Creio haver uma certa comunhão entre o chamado fado vadio e aquele fado mais triste que denota a impotência humana face ao Fado que por Deus é ditado.