https://www.poetris.com/
 
Sonetos : 

Sangue

 
Tags:  sangue    alucinações    vasos    cobra grande  
 
Open in new window


Sangue
by Betha Mendonça

Nesse vai e vem de Cobra Grande lenta,
A queimar gota a gota as emoções,
O sangue flui nos vasos em pimenta,
E ardem agonias, dores e aflições...

Rútilo e quente, frágil corpo alimenta,
De cansaços, pragas ou maldições,
Que escorem da boca e que fomenta,
Entre os neurônios alucinações.

Ricos rios de muitas bifurcações,
As veias e artérias o ser sustenta,
Em diversas horas e situações:

Bem estar que ao olhar agudo se atenta,
Ou nefastas e mentais posições,
Que ao desvario da face se apresenta.

*Imagem do Google
 
Autor
Betha Mendonça
 
Texto
Data
Leituras
701
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
6 pontos
4
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Migueljaco
Publicado: 22/03/2014 01:58  Atualizado: 22/03/2014 01:58
Colaborador
Usuário desde: 23/06/2011
Localidade: Taubaté SP
Mensagens: 9305
 Re: Sangue
Boa noite Betha, seus versos narram as incumbências do sangue, na conjuntura do funcionamento harmonioso do corpo vivo, um forte abraço, MJ.


Enviado por Tópico
Vania Lopez
Publicado: 23/03/2014 04:25  Atualizado: 23/03/2014 04:25
Colaborador
Usuário desde: 25/01/2009
Localidade: Pouso Alegre - MG
Mensagens: 17658
 Re: Sangue
inquietante como um terço em oração.
vertente como uma face em seu espelho.
vais-me fazendo perder o rumo... obrigada