https://www.poetris.com/
 
Textos -> Tristeza : 

Como entes celestes num estranho caso de amor

 
Tags:  poema    sol    lua    relacionamento    brigas    absurdo    voltas  
 

Minha linda! Nosso caso, o meu amor, o nosso amor, assemelha-se a um poema trágico. Às vezes, temo pela sua arrogância, essa mania de sumir e aparecer outra vez, encadeando separações e retornos que já se tornaram tão banais nos últimos anos.
Somos duas pessoas ligadas por alguma coisa não explicada. Duas almas num relacionamento absurdo, incompleto e inacabado, tumultuado e tenso, sob rajadas de brigas e seus impropérios, alternando alguns raros momentos de puro prelúdio.
Após o terceiro ano, não estranho mais a sucessão de partidas e retornos, louvo a comunhão de reveses como sina a aceitar. Incrivelmente, sinto-a ligada pela separação, pelas repetidas perguntas sem respostas e pelas respostas evasivas ao que jamais perguntei. Dúvidas e tentações de lado a lado, mas ao final, cada qual em seu lugar, sem se importar. Creio mesmo que somos ligados como uma dupla de entes celestiais. Você e eu, lua e sol.





De arrebatada figura,
sou altivo, sou forte,
não carrego lutos e mágoas,
até um dia enganei a morte,
na sua faina de colher almas
e renasci.

 
Autor
Warmien
Autor
 
Texto
Data
Leituras
772
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
12 pontos
2
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 05/04/2014 04:53  Atualizado: 05/04/2014 04:53
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 16189
 Re: Como entes celestes num estranho caso de amor
Parabéns Poeta
Leitura interessante! Relacionamentos inacabados são incríveis, doloridos em grande parte!
Beijos!
Janna

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 06/04/2014 16:37  Atualizado: 06/04/2014 16:37
 Re: Como entes celestes num estranho caso de amor
Poeta,

Tantos desencontros e desencantos...

Perguntas sem respostas...

Muito bonito! Gostei imensamente!

Bjos,

Anggela