https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Assassino-me

 
Esfaqueei um texto até ele não poder mais. Do seu sangue ensaiei um poema.
Tenho um filho nos braços e sei que me vale nisso a pena.
Se eu ouvisse o que minha mãe me dizia, hoje era um vendido,
Por isso me dediquei a sangrar a vida, a rasgar os pulsos nas mãos.
Pode faltar-me tudo, mas não me falta um verbo sentido.

Os que me criticam, qual rés pública, são todos meus irmãos.
Cães que não conhecem dono, prontos a morderem-me em protesto.
E eu, perfeito idiota, desta língua dispersa, crente e poliglota,
Sou do verso o gosto do vómito, um retorno ao ventre, indigesto.

Hei-de morrer como um gato que não escapou ao rodado.
Minhas tripas espalhadas pelo alcatrão.
Da minha boca nem um lamento, um suspiro em vão.
Mais me vale isso, que a morte naquilo para mim pensado.

Podia ter sido mestre ou advogado, da eloquência, um soldado,
Mas depois, não saberia o que fazer das palavras nascidas
Algures num prado, a luz das estrelas à luz das espigas, crescidas.

Meu destino é morrer a cada dia, a cada hora, a cada minuto
E escrever nos intervalos de tempo, resoluto.

in: «Os poemas não se servem frios» Temas 2010


O meu verdadeiro nome é José Ilídio Torres. É com ele que assino os meus livros.
Já publiquei 10 obras em géneros diversos: crónica, romance, conto e poesia.
Foi em 2007, aqui no Luso, que mostrei pela primeira vez.

 
Autor
SilvaRamos
 
Texto
Data
Leituras
522
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
11 pontos
1
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 13/06/2014 17:33  Atualizado: 13/06/2014 17:33
 Re: Assassino-me
Vejo-me bela em seu espelho
Vejo minha alma sedenta
Vejo o cintilar das estrelas
quando percorro suas veredas.
Amo o que vem da sua alma.

Abraços