https://www.poetris.com/
 
 
 
Impurtunei a muitos
Humilhei, roubei e maltratei a vários
Tudo que estivesse ao meu alcance
Quebrava sem piedade e nem remorso

Pagão sou por não seguir
os ensinamentos bíblicos
Sou um demônio em pessoa
Endemoninhado até à morte
Hoje, sou um infeliz descontente
Pois a maldade possuiu-me

Encarcerado num quarto escuro
Vejo aos quadrados das grades um futuro
Reduzido a uma perpétua
E a uma gaiola de mágoa

Sozinho aos gemidos do frio
Suplico a minha própria sentença
Mas o castigo divino é insuplicável
Erguendo as mãos, abaixando a cabeça
Rezo pelo perdão de tudo que fiz
A todos que infernizei a vida
Hoje, vivo no meu sepulto
Minha cela, meu caixão

A Magia das Palavras


Egnancio Mboene

 
Autor
Egnancio
Autor
 
Texto
Data
Leituras
2059
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
2
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 28/10/2014 14:58  Atualizado: 28/10/2014 14:58
 Re: Cela!
toda «cela» faz sentido para quem está trancado nela e igo pra vc, tanto fz cela de barras de metal ou «cela» mental, qualquer tipo tem um segredo,u motivo q veio e segue para além do visível. curti suas palavras q me passaram a impressão de sinceridade muito sentida no arrependimento, mas acredito q certos acontecimentos depois de ditos e feitos infelizmente n existem perdão. bacana ler sua poesia,valeu.