https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

do verbo Blue, odes mínimas.

 
quando cospe uma morte, explícito ou implícito.
desata ruas, meus nós, veste-me de todo lugar.
vasculha a sombra proibida, define a definição.
sangra-me no muito e no pouco.

no rasgo, a desordem das paredes, a tinta da pele.
divides o tempo, chora-me ao meio.
cheira meu vestido, parte do que sou.
desfaz o abismo e sorri de troco.

se disperso na corrente de ar, torna-me verbo.
desmente o vento que te dói na parte que me cabe.
como se entrasse o mar ao peito lava-me movediço teu nome.

tolero que a noite saia, rasgue o véu, a perplexidade.
soltos os cabelos, a imersão dos sentidos.
nada falo, nem silencio. morro com o corpo todo.




Vania Lopez


Devo confessar que sou o contrário, meus passos seguem em contrário.
Sou uma pessoa inquieta, vou onde meu vento me leva. Artista Plástica e escritora, as vezes sem saber se pintoraqueescreve ou escritoraquepinta...
Procuro por algo, mas a intenção n...

 
Autor
Vania Lopez
 
Texto
Data
Leituras
1128
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
39 pontos
11
6
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Amora
Publicado: 10/03/2015 02:08  Atualizado: 10/03/2015 02:08
Colaborador
Usuário desde: 08/02/2008
Localidade: Brasil
Mensagens: 4763
 Re: do verbo Blue, odes mínimas.
Vestido, cabelos, véus... todos soltos na imensidão desse poema tão bonito.

Aplaudo daqui.

Enviado por Tópico
Migueljaco
Publicado: 10/03/2015 02:54  Atualizado: 10/03/2015 02:54
Colaborador
Usuário desde: 23/06/2011
Localidade: Taubaté SP
Mensagens: 9361
 Re: do verbo Blue, odes mínimas.
Boa noite Vania, na busca de crescer em consciência, o homem se despe de princípios, e passa a velar ao imponderável, porque é do inusitado que nascem as fantásticas soluções para o peso do nada que tanto nos faz inquietos, parabéns pelo redundante poema, um abraço, MJ.

Enviado por Tópico
martims
Publicado: 10/03/2015 11:03  Atualizado: 10/03/2015 11:03
Colaborador
Usuário desde: 12/08/2013
Localidade:
Mensagens: 6800
 Re: do verbo Blue, odes mínimas.
Algo que se veste em nós fazendo uma desordem em nossos sentimento, os sentido não se perdem, se dilascerando naquelas mais belas noites, pintando as nossas peles com as tintas do gostoso desejo.

Enviado por Tópico
Ro_
Publicado: 10/03/2015 12:18  Atualizado: 10/03/2015 12:18
Colaborador
Usuário desde: 25/09/2009
Localidade: Brasil
Mensagens: 3962
 Re: do verbo Blue, odes mínimas.
Linda Vania!
Sempre adorável tua escrita!
Eu adorei ler!
Um beijinho!


*-*

Enviado por Tópico
Semente
Publicado: 10/03/2015 19:51  Atualizado: 10/03/2015 19:51
Colaborador
Usuário desde: 29/08/2009
Localidade: Ribeirão Preto SP Brasil
Mensagens: 8696
 Re: do verbo Blue, odes mínimas.
Parabéns querida Vania, um soneto instigador e muito belo, agradável de ler.

Beijinhos!

Enviado por Tópico
RaipoetaLonato2010
Publicado: 11/03/2015 17:30  Atualizado: 11/03/2015 17:30
Colaborador
Usuário desde: 13/03/2010
Localidade: Paulínia-SP
Mensagens: 2699
 Re: do verbo Blue, odes mínimas.
"tolero que a noite saia, rasgue o véu, a perplexidade.
soltos os cabelos, a imersão dos sentidos.
nada falo, nem silencio. morro com o corpo todo".

A poesia oculta mensagens decifráveis, só para aqueles que possuem o dom da alta sensibilidade. O simbolismo das imagem remetem a esses detalhes da sabedoria oriental.

Enviado por Tópico
Sterea
Publicado: 11/03/2015 19:56  Atualizado: 11/03/2015 19:56
Colaborador
Usuário desde: 20/05/2008
Localidade: Porto
Mensagens: 3397
 Re: do verbo Blue, odes mínimas.
marca a tinta adivinhada, quando esconde
o lado emerso da alma diluída
sobra a tela, falta um tempo projectado no azul

a pele do sul e a pele do norte
alcançando o tom ideal
à mesma luz.



(para quando o abraço quiser)

Enviado por Tópico
Eureka
Publicado: 14/03/2015 10:57  Atualizado: 14/03/2015 10:57
Colaborador
Usuário desde: 02/10/2011
Localidade: Lisboa
Mensagens: 4260
 Re: do verbo Blue, odes mínimas.
Olá Vania

Mais um poema muito belo a desafiar quem o lê, na tua capacidade imensa de nos surpreender com tuas palavras que tão bem sabes conduzir de forma única.

Adorei a leitura, e em cada verso um brilho teu muito especial.
Parabéns.
Beijo

Eureka

Enviado por Tópico
VCruz
Publicado: 18/03/2015 05:35  Atualizado: 18/03/2015 05:35
Colaborador
Usuário desde: 08/06/2011
Localidade:
Mensagens: 679
 Re: do verbo Blue, odes mínimas.
...só a gente que morre com o corpo todo, todos os dias sabe bem assim...
Hoje tô musical, puxa o banco, traz a almofada que deixei o gato solto...
Bjão amada!
V.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 30/03/2015 12:23  Atualizado: 30/03/2015 12:23
 Re: do verbo Blue, odes mínimas.
Poema de gente grande, coisa linda de se ler, uaaaaaaaaaaaau

Enviado por Tópico
saraabreu
Publicado: 31/03/2015 19:50  Atualizado: 31/03/2015 19:50
Colaborador
Usuário desde: 25/05/2014
Localidade:
Mensagens: 2423
 Re: do verbo Blue, odes mínimas.
Mais um poema banhado por metáforas/figuras mil...

"tolero que a noite saia, rasgue o véu, a perplexidade.
soltos os cabelos, a imersão dos sentidos.
nada falo, nem silencio. morro com o corpo todo."

...e o corpo poético brilha das mais diversas formas consoante cada maneira de ver...haveriam mais de mil maneiras para perceber o teu poema, quis perceber assim se me permites.
Delicioso poema Vania.
bj