https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

A menina maluquinha

 
Tags:  menina    pobre    rico    maluquinha  
 
A menina maluquinha
 
Neila Costa






Ela queria uma casa que não fosse de tábua, nem de barro, que o teto não fosse de lona, nem de zinco; ela queria que no seu quarto tivesse uma janela que desse para a rua, para contemplar a beleza do pôr do sol e a suntuosidade da lua; ela queria ter uma “família normal”, com pai, mãe e irmãos, onde todos falassem a mesma “língua” e pensassem “quase” as mesmas coisas; ela queria que o pai tivesse um emprego digno (e que a ele fosse fiel), sem se importar em quê! Poderia ser pintor, marceneiro, professor, condutor, contanto que quando chegasse o final do mês, o dinheiro desse para pagar as contas e suster a família.
Ela sonhava em estudar, para ter um futuro promissor, terminar os estudos e cursar uma faculdade. Sonhava alto, porque sabia que para sair da vida em que vivia, os sonhos tinham que ser altos, senão nada mudaria. A verdade era que tudo ela queria e nada tinha, nem ao menos sabia de que mulher havia nascido, nem qual pai a havia gerado. A vida foi o carrasco dos seus sonhos, sua desilusão. As vezes, ela se perguntava: nasci para quê e por quê? Ninguém a respondia porque pensavam que ela era maluquinha!
Sua casa era a rua, sua cama, a calçada. A janela que tanto falava ter em seu quarto, era um buraco feito no papelão. Seu lençol era o céu, sua luz, o sol, enquanto tinha, ou a lua, que ela chamava de mãe, que vinha e a beijava… Depois saia e lhe sorria.
Sua academia, era cedinho, às três horas da manhã (sem café), apanhando de uma em uma latinha e garrafas de refrigerantes, sucos, e outros lixos como o papelão, copos descartáveis, papéis, que trocava por dinheiro, para comprar um prato de comida. Suas refeições? Uma só, ao dia, a menos que alguém lhe desse algum trocado.
Ela queria…queria tanto sobreviver àquela vida miserável, que seu tempo findou… faleceu.
Faleceu para viver seus sonhos, no Céu.



Sou o Ontem vestida no Hoje
que no Agora em que transponho
sentimentos em algo real do instante,
transcrevo o que sou ou quem fui
fora de hora.
Sou o Eu Vestida nas Horas,
que escorre pelos Minutos
e Segundos que se vão afora.
Neila Cos...

 
Autor
NCosta
Autor
 
Texto
Data
Leituras
1296
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
6 pontos
2
2
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 05/06/2015 19:36  Atualizado: 05/06/2015 19:36
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 17760
 Re: A menina maluquinha
Poetisa
Triste, mas é a realidade de tantas crianças!
Abraço!
Janna

Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 05/06/2015 20:27  Atualizado: 05/06/2015 20:27
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29997
 Re: A menina maluquinha
Uma sociedade que vira as costa para a verdade, onde os miserareis não tem sua vez.