https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Tarde

 
Tags:  vida    tempo    trabalho    velhice  
 
Fabricar sonhos alheios.
Nascer entre cobertas.
Amanhecer sem floreios.
Ser apenas meras facetas.
E os minutos de outono?
E as décadas de inverno?

O sol cravado na garganta.
Vermelho, imenso, exausto.
Ossos sob a velha manta,
galáxias domando o corpo.
E já não espero regalias.
Não faço sala às visitas.
Inflamado eu aguardo
o lampejo inesperado.

Não quero mais horas.
Logo tudo esquecerei.
Calado, anoitecerei.
Oito marchas fúnebres
velando sob as unhas.
Oito luas de febres
contando as alcunhas.

Quando lembrar de mim,
já serei tarde demais.
E quando for nosso fim,
rasgarei o arco-iris
preso entre os galhos.
Estarei em pratos rasos
servindo-te mil beijos.

 
Autor
Vidal
Autor
 
Texto
Data
Leituras
378
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
17 pontos
3
3
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 03/07/2015 17:27  Atualizado: 03/07/2015 17:27
 Re: Tarde
Eu gostei da tua poesia!

Muito bom!

Um abraço,

Anggela


Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 06/07/2015 21:37  Atualizado: 06/07/2015 21:37
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 16206
 Re: Tarde
Vidal
Intenso! Gostei imensamente!
Beijos!
Janna