https://www.poetris.com/
 
Contos -> Tristeza : 

A Dona poesia e o passarinho

 
Open in new window

Numa bela tarde de primavera, a dona poesia veste-se a rigor, da sua mala de madeira, escolheu melhor blusa de cetim, e do reportório, as mais belas frases, onde botara todo seu mundo.
Era uma tarde cinzenta, o vento soprava e do mar agitado vinha brisa fedorenta do lodo. Ela não se importou com o cheiro, alisou o cabelo e apressou os passos.
Na sua passagem pelo jardim, deparou-se com um pássaro que chorava convulsivamente, abrandou os passos e lacrimejou, estava tão emocionada, tirou da sua mala um lencinho e enxugou lágrimas ao pobre pássaro que nunca parara de chorar, afagou-lhe cabelo grisalho, porém, o passarinho chorava cada vez mais. Dona poesia, desfeita em lágrimas decidiu cantar-lhe uma serenata, o passarinho escutava comovido aquela melodia que soltava dum coração à pingar de amor. Secaram-se-lhe as lágrimas e no seu semblante aflorou alegria.
Em sinal de gratidão, o passarinho lhe emprestara a voz.
A dona poesia retomara passos apressados, pois tinha encontro com fazedores de poema.
A escassos minutos chegou ao salão dos poetas, era o dia de declamação de poemas e era sua vez de declamar, subiu ao palco, hesitou, quase que desmaiara, houve murmúrios na sala, o silêncio se tornou pesado e, como se acabasse de sair dum sonho, ela olhou pra plateia em alvoroço e da sua linda voz, ecoou uma serenata que deixara os espectadores em delírio, todavia os juízes não pareciam convencidos e puseram-se a cochichar…
Por fim levantaram-se e deram uma negação. Foi então que à janela assomou o passarinho que se pós a cantarolar a serenata. Dona poesia comovida acompanhou o passarinho e ambos cantaram a mais bela serenata de todos os tempos.
Os espectadores correram com os juízes. E a partir daí, as declamações de poemas passaram a ser dirigidas pelos espectadores, dos juízes nunca mais se ouve falar.

Adelino Gomes-nhaca


Adelino Gomes

 
Autor
Upanhaca
Autor
 
Texto
Data
Leituras
1466
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
32 pontos
10
3
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Peta
Publicado: 26/07/2015 08:48  Atualizado: 26/07/2015 08:48
Colaborador
Usuário desde: 24/06/2015
Localidade: Lisboa
Mensagens: 702
 Re: A Dona poesia e o passarinho
Lindo conto.
Apreciei a leitura.
abraços, Peta.


Enviado por Tópico
Volena
Publicado: 26/07/2015 09:09  Atualizado: 26/07/2015 09:10
Colaborador
Usuário desde: 10/10/2012
Localidade:
Mensagens: 12514
 Re: A Dona poesia e o passarinho
Gostava de ser um passarinho assim e conhecer a D.Poesia. Achei lindo e é um priviilégio meu poder favoritar. Abraço afectivo Vólena


Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 26/07/2015 09:48  Atualizado: 26/07/2015 09:48
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29909
 Re: A Dona poesia e o passarinho
Sentimentos, lágrimas, silêncio, tudo que nos comove nas belas escritas, onde o escrever é mais que sentido por nosso corações.

Um texto envolvente, sentimental, belíssimo


Enviado por Tópico
Migueljaco
Publicado: 26/07/2015 11:45  Atualizado: 26/07/2015 11:45
Colaborador
Usuário desde: 23/06/2011
Localidade: Taubaté SP
Mensagens: 10240
 Re: A Dona poesia e o passarinho
Bom Adelino, esta natureza é assim , de onde se espera muito não sai nada, e de onde não se aguarda nada, nos sai muito, parabéns pelo contundente poema, eu te desejo um excelente domingo, um abraço, MJ.


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 30/07/2015 06:35  Atualizado: 30/07/2015 06:35
 Re: A Dona poesia e o passarinho
Que conto fantástico amigo, parabéns!